Francisco Benítez é candidato à presidência do Benfica mas impõe seis condições "básicas". Saiba quais são

Em entrevista à TSF, o líder do "Movimento Servir o Benfica" sublinha que quem vai aprovar as regras das eleições é a atual direção encarnada, o que "não é justo nem transparente".

Francisco Benítez confirma à TSF que é candidato à presidência do Benfica. Ainda assim, o líder do "Movimento Servir o Benfica" garante que só avança se forem cumpridas algumas condições, porque não quer voltar a concorrer a umas eleições que não sejam "justas, transparentes e democráticas".

Francisco Benítez vinca que "se se insistir no modelo que foi utilizado nas eleições de outubro passado", não vai apresentar formalmente a candidatura. No entanto, afirma que se candidata, se forem cumpridas as seis condições: "A utilização exclusiva do voto físico, a contagem dos votos logo quando a assembleia de voto fecha, o acesso aos cadernos eleitorais que devem ser fechados 48 horas antes, o acesso aos meios de comunicação do Benfica nomeadamente com um debate na BTV, a identificação dos associados que vão votar com um documento oficial e na presença dos delegados das várias listas, e o voto eletrónico exclusivamente para os associados que estão fora de Portugal Continental, nas ilhas ou no resto do mundo."

Francisco Benítez pretendia que esta sexta-feira, na Assembleia Geral Extraordinária do Benfica, se ficasse a saber qual seria o regulamento eleitoral, porque seria aprovado pelos sócios, "mas o que acontece é que o presidente da Mesa da Assembleia considera que quem deve aprovar o regulamento eleitoral é a direção do Benfica", explica, à TSF, o agora assumido candidato às eleições das águias. Benítez critica, por isso, a atual direção encarnada e, também, o presidente da Mesa da Assembleia Geral do clube da Luz: "Quem vai aprovar as regras do jogo é alguém que depois vai participar no jogo. Não considera que isto seja justo nem transparente. Enfim, é o que o presidente da Mesa da Assembleia Geral pode fazer, os estatutos conferem-lhe essa responsabilidade e essa autonomia, e ele fez isso. Portanto, nós o que gostaríamos e, por isso, convocamos esta Assembleia Geral Extraordinária, era que o regulamento eleitoral fosse discutido e aprovado pelos sócios. São sócios que elegem os órgãos sociais e que deveriam votar também as regras do jogo."

O líder do "Movimento Servir o Benfica", que nas últimas eleições foi candidato à presidência da Mesa da Assembleia-Geral na lista de João Noronha Lopes, explica a principal razão que o leva a ser candidato a estas eleições: "Candidato-me pela minha alma benfiquista. Não é o Benfica que temos visto nos últimos anos que eu acredito. Não só uma pessoa também só de palavras, gosto de ser consequente com as minhas palavras. Portanto, se não é este o Benfica que eu quero, se é outro Benfica em que eu acredito, eu vou lutar por ele", defende Francisco Benítez, que promete "um clube muito mais transparente, muito mais democrático e muito mais ambicioso do que aquele que temos visto nos últimos anos", se for eleito presidente do Benfica.

Francisco Benítez revela que iniciariam esta quarta-feira a recolha das assinaturas e "já está a correr a um excelente ritmo", por isso, a expetativa é que no "prazo de uma ou duas semanas todas as assinaturas já deverão estar recolhidas" e aí estarão em condições de oficializar a candidatura à presidência encarnada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de