Começar do zero quase 100 anos depois. A nova vida d'Os Belenenses

Quanto mais alta é a subida, maior é a queda. Quanto mais rápida é a descida, maior é a vontade de voltar a trepar. Depois da separação da SAD, o clube Os Belenenses começa esta época a jogar na última divisão distrital de Lisboa com o sonho de um dia voltar à primeira.

O técnico Nuno Oliveira espera os jogadores junto a uma pequena rampa que dá acesso ao exterior do estádio do Restelo. As paredes abafam o som que chega do exterior. O treinador de 31 anos vai até à saída e espreita. Lá fora 500 adeptos do Belenenses gritam pelo clube, como se nada tivesse mudado. E mudou muita coisa. O clube vai jogar nas distritais mas os adeptos continuam fiéis e querem assistir ao primeiro treino da equipa, mesmo que seja segunda-feira à noite, mesmo que estejamos em pleno mês de agosto.

Nuno Oliveira regressa em passo acelerado ao encontro dos jogadores. "Quando saírem vão direito aos adeptos. Agradeçam-lhes", grita o técnico aos atletas. O plantel conta com 17 jogadores amadores, aos quais se juntam jovens em período de experiência.

São rostos que têm tanto de familiar como de desconhecidos os que sobem ao relvado. Muitos já por ali andaram quando começaram a dar os primeiros toques na bola. Regressam agora como os sobrinhos que vivem longe e se reencontram num almoço de família. Cresceram e viveram fora de Belém. Agora regressam a casa.

"80% dos jogadores que estão connosco no plantel passaram pelo Belenenses na formação ou na equipa principal há alguns anos. Já sentiram o clube", explica Nuno Oliveira. "Estes são os jogadores que vão ficar na história do clube, independentemente de estarmos na primeira distrital ou noutro qualquer escalão."

A cisão com a SAD

O clube "Os Belenenses" criou uma nova equipa de futebol sénior, que vai competir no futebol distrital de Lisboa. Uma medida radical assumida pela direção no final de 2017, quando mais de 90% dos sócios aprovaram processar a SAD do clube, rejeitando que esta possa utilizar os símbolos e nome d´ "Os Belenenses".

"É um orgulho muito grande, uma alegria imensa fazer parte desta história, construir tudo a partir do zero", explica Nuno Oliveira, ele que também passou pela formação do clube como técnico-adjunto. Conhece bem alguns dos jogadores que tem à disposição esta temporada na última divisão do futebol distrital de Lisboa.

Bem-vindos a casa

"Sou Belenenses desde pequeno. Já tinha jogado encontros aqui, quando subi a sénior. Mas o momento de hoje vai ficar na nossa memória", comenta o médio Bernardo Ribolhos, popular Benny. Subiu ao relvado em corrida, com os restantes companheiros, que pararam na pista de tartan para saudar uma bancada repleta de adeptos.

"Tinha 8 ou 9 anos quando estive no relvado do Restelo pela primeira vez", explica o jogador natural de Linda-a-Velha. Esteve no Belenenses durante dez anos, dos escalões de formação mais baixos até à estreia pela equipa sénior. Regressa agora aos 25 anos, como amador. "É um sonho, independentemente da divisão, porque a paixão que eu tenho pelo clube não tem divisão"

"Todos nós sabemos as dificuldades que o clube está a atravessar. É altura de dar as mãos. Estamos num clube centenário, temos de apelar à nossa identidade", remata Benny.

Ricardo Viegas esteve no Belenenses num outro momento conturbado para o clube. Fez parte da equipa que há sete anos jogou na segunda liga, depois da despromoção. "Sempre falei com os dirigentes do clube, mesmo depois de sair. Na altura eles ajudaram-me. Agora sou eu que os ajudo a eles".

O litígio entre o clube a SAD é o que menos lhe interessa, ainda que tenha acompanhado a polémica nas redes sociais: "Ninguém me falou em SAD's nem nada disso. Só me falaram do clube, dos objetivos, do interesse deles". O clube vai começar na 1ª divisão distrital de Lisboa, ou seja, o último escalão. "A nós só nos interessa subir. Vencer e subir. Subir este ano e nos próximos. Subir, subir, subir", aponta Ricardo Viegas.

Nos primeiros minutos de exercícios sem bola os jogadores não consegue evitar olhar para as bancadas, onde os adeptos continuam em festa. Sobretudo a claque do clube a que se juntaram vários sócios que há décadas marcam presença no Restelo. Estão também por lá os juniores, que terminaram há pouco o treino num dos relvados anexos ao estádio. Alguns dos miúdos juntam-se aos cânticos. "O Belém é nosso e há de ser"; "Não importa a divisão \\ a nossa paixão é igual".

O jogo de apresentação d´ "Os Belenenses" está marcado para 9 de setembro, frente a outro histórico do futebol português, e eterno rival, o Atlético Clube de Portugal. O jogo será no estádio do Restelo.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de