Há 75 anos nascia o Jamor. As histórias do passado e os olhos postos no futuro

Há 75 anos era inaugurado o Estádio Nacional, no Jamor, um local que durante vários anos não passou de uma promessa. Hoje é um lugar cheio de histórias, mas também com muitas novidades.

Os jornais da época anunciavam: "A grande obra fez-se em 18 meses", "ocupou 2500 homens", com mão-de-obra das prisões, e "custou 10 mil contos", um valor que depois subiria para mais de 50 mil contos com a conclusão de outros projetos.

O presidente do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ), em entrevista à TSF, lembra que construir o Estádio Nacional foi "uma opção do Estado Novo", uma promessa de António Oliveira Salazar em 1933, no Congresso dos Clubes Desportivos. Um ano depois, seria aberto o concurso para escolher o arquiteto da obra.

Quando abriu finalmente as portas a 10 de junho de 1944, o então Dia da Raça Nacional e atualmente Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, o Estádio Nacional, inspirado pelo Estádio Olímpico de Berlim, recebeu mais de 60 mil pessoas, entre espetadores e participantes.

Os bilhetes para a "grande festa da apoteose do Portugal Novo", como foi chamada a inauguração, custavam entre 6 e 20 escudos (menos de 8 euros e meio) e o Sporting (campeão nacional) venceu o Benfica (vencedor da Taça de Portugal) por 3-2, conquistando a Taça Império.

A partir de 1946, o Estádio Nacional passa a ser o recinto escolhido para receber a final da Taça de Portugal. Nesse ano, o Sporting subiu à tribuna de honra para receber a taça do Presidente da República, dando início a uma tradição que continua até aos dias de hoje. Quanto à Taça de futebol feminino, chegou ao Jamor em 2003.

Vítor Pataco diz que são 75 anos de histórias com muitas atividades desportivas mas não só e recorda o ano de 1969. Essa final, entre a Académica e o Benfica, ficou conhecida "pela final que venceu o futuro porque foi no meio da grande crise académica e correspondeu a uma espécie de um grito de mudança e liberdade. Tornou o Jamor, para sempre, num palco da liberdade, ligado à democracia".

Na final de 1969, nenhuma das altas figuras do Estado marcou presença no Jamor, a tribuna de honra ficou vazia, a RTP pela primeira vez não transmitiu o encontro, e nas bancadas houve centenas de agentes da PIDE infiltrados.

Um ano a celebrar os 75 anos

Mais do que um estádio, o Jamor é um pequeno mundo, garante Vítor Pataco. "O Estádio Nacional, que faz 75 anos, está inserido num grande parque desportivo, com cerca de 200 hectares, onde as pessoas têm muitas opções. Podem trazer a família e experimentar fazer canoagem, experimentar o Parque Aventura, a escalada, caminhar pelos cerca de 16 quilómetros de caminhos que existem, andar de bicicleta na pista de BTT ou nos caminhos, podem jogar mini-golfe", enumera.

O objetivo passa por levar mais gente ao Jamor e, nesse sentido, a festa dos 75 anos vai durar 365 dias, até ao dia 10 de junho de 2020. O presidente do Instituto Português do Desporto e da Juventude quer "comunicar, chamar a atenção das pessoas que podem usufruir deste espaço de uma forma muito intensa e atrativa".

Para esse novo Jamor, vão ser lançados "programas novos, nomeadamente um programa chamado Jamor para Todos, imensos eventos, e o Palco Jamor em que vamos ceder o espaço para os clubes locais e as coletividades possam vir ao Jamor mostrar as suas atividades".

Em setembro abre o novo centro interpretativo do Jamor, onde o público poderá conhecer os 75 anos de história e vai nascer um eixo verde-azul "que envolve três municípios - Oeiras, Sintra e Amadora - e é um percurso que vai desde a Cruz Quebrada até à Serra da Carregueira, de mobilidade suave e acessível, que pode ser feito a pé ou ciclável, sempre à beira do rio Jamor". Também a pista número 2 de atletismo foi requalificada no ano passado e já tem iluminação para quem treina à noite, e foi aberto o concurso para remodelar a pista número 1, dentro do Estádio Nacional.

Na semana passada, na cerimónia de apresentação das comemorações dos 75 anos do Estádio Nacional, o secretário de Estado da Juventude e do Desporto anunciou a intenção do Governo em continuar o investimento no Jamor.

"Manter cuidado e corresponder aos níveis de exigência que os utilizadores do Jamor têm, obriga o Estado a um investimento muito significativo, na casa dos dois milhões de euros por ano, o que é absolutamente justificado, dada a utilização que este espaço tem. Queremos trabalhar de forma cada vez mais articulada com as instituições desportivas do Jamor", explicou João Paulo Rebelo.

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de