"Temos de fazer mais e melhor." Sérgio Conceição desvaloriza pressão para ganhar

O FC Porto defronta o Young Boys para a Liga Europa, num jogo onde está obrigado a vencer. Os portistas têm menos três pontos do que os suíços.

O treinador Sérgio Conceição desvalorizou esta quarta-feira a "pressão" de ter de vencer na quinta-feira o Young Boys na Suíça, fundamental para o FC Porto manter as aspirações de qualificação na Liga Europa de futebol.

"Um clube como o FC Porto... se não houver pressão, faço questão de ser eu a criá-la. Comigo e com os outros. É a minha forma de ser. Sou uma pessoa competitiva, a pressão faz parte do nosso dia a dia, do nosso trabalho. Todos os jogos são decisivos, todos os pontos importantes. Sabemos da responsabilidade que temos, a história do FC Porto. Temos de dar mais, fazer mais e melhor", disse.

No grupo G, e quando faltam disputar apenas dois encontros, o FC Porto partilha os dois últimos lugares com o Feyenoord, com quatro pontos, enquanto o Young Boys e os escoceses do Rangers comandam com sete.

"A estratégia foi planeada de acordo com a vontade de ganhar. Queremos depender só de nós no último jogo com o Feyenoord em casa. Estamos focados na vitória e na estratégia para conseguir os três pontos", frisou.

Com 15 jornadas disputadas, o rival dos 'dragões' lidera o campeonato suíço com 34 pontos, mais quatro do que o Basileia, numa época até agora muito bem-sucedida.

"É o poderio da equipa, forte, que internamente tem dado uma resposta fantástica no campeonato. Na Europa, no seu estádio, ganhou os dois jogos. É forte fisicamente, com gente muito rápida na frente. Com jogadores individualmente capazes. Com bom nível", elogiou.

Um grupo onde "qualquer um pode lutar pelo primeiro lugar"

Conceição recordou que sempre considerou o grupo "bastante competitivo e equilibrado", pelo que entende que "qualquer um pode lutar pelo primeiro lugar".

As derrotas por 2-0 em casa do Feyenoord e no recinto do Rangers complicam a posição dos portuenses, que no início da época falharam o acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões, contudo o técnico quer mudar a história.

"Cabe-nos fazer melhor do que nas últimas duas saídas. Tivemos muitas oportunidades na Holanda e duas/três na Escócia. Se tivéssemos marcado primeiro, se calhar a história seria diferente. Tem a ver com eficácia ofensiva e também, sem dúvida, sermos mais eficazes defensivamente. Cometemos alguns erros que não podemos cometer", assumiu.

Sérgio Conceição não esclareceu se o argentino Marchesin regressa à baliza ou se o jovem Diogo Costa mantém a titularidade, o mesmo quanto ao eventual regresso de Pepe ou a manutenção de Mbemba no eixo da defesa.

Da mesma forma garante que não escolhe os jogadores pela idade, mas pela sua competência técnica, tática e atitude nos treinos.

Os emigrantes e os adeptos que voam desde Portugal não foram esquecidos -- tal como a sua família na Suíça --, pelo que promete uma equipa determinada a "retribuir a saúde com o melhor que a equipa puder fazer, com a conquista dos três pontos".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de