A lei da idoneidade foi feita a pensar em si? "Parece que sim"

O presidente da Associação Montepio admite que a lei da idoneidade pode ter sido feita a pensar só nele, o que a tornaria inválida. Leia e escute a entrevista completa neste fim de semana.

António Tomás Correia não descarta a hipótese de a lei da idoneidade ter sido feita a pensar nele - e promete estudar o decreto-lei que o Governo aprovou em Conselho de Ministros.

A norma pretende "clarificar" a regraque dá à Autoridade De Seguros e Fundos de Pensões (ASF) a responsabilidade de avaliar a idoneidade das administrações das associações mutualistas - e, consequentemente, a dele próprio - mas o gestor contesta que toda a discussão pública tem sido feita em torno de um nome: o dele.

Eis um excerto da grande entrevista que a TSF, o Dinheiro Vivo e o Diário de Notícias vão publicar neste fim de semana, em duas partes:

É possível que nem sequer seja legal um processo de reavaliação de idoneidade?

Não sei. A única coisa a que tenho assistido é a um conjunto de intervenções muito pouco precisas, dirigidas exclusivamente a uma pessoa, que pode desembocar na publicação de um diploma. Vamos ver.

O que está a dizer é que esta é uma lei feita para um só homem?

Não sei, vou ver. É isso que vou ver.

As leis não podem ser feitas para casos específicos...

Não sei. Consegue encontrar algum caminho de razoabilidade na discussão que temos tido? A discussão que temos na praça pública, no Parlamento, a partir de membros do Governo, tem alguma razoabilidade? Desculpe, mas não tem.

A discussão pública em torno da avaliação da idoneidade dos gestores das mutualistas tem sido uma discussão em torno da sua idoneidade. É isso que está a dizer, que esta é uma lei feita a pensar em si especificamente?

Tenho de ver o diploma e perceber o que está em causa. Mas não tenho dúvida nenhuma, olhando para o que sai na comunicação social, que parece que sim.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de