Quando o combustível parou o país. O filme de um dia de greve e filas

A greve dos motoristas de matérias perigosas está a paralisar várias regiões de norte a sul do país. Os aeroportos de Lisboa e de Faro já estão a recorrer às reservas de emergência. Pelo menos um voo foi cancelado no aeroporto de Lisboa. Há mais de duas centenas de postos sem combustível.

A reunião que juntou o Governo, a ANTRAM e o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas já terminou, mas a greve mantém-se de pé, tal como os constrangimentos por ela causados. Ficam no entanto garantidos serviços mínimos para locais como aeroportos e hospitais e ainda a entrega de 30% dos recursos desbloqueados às bombas civis.

À saída dos trabalhos, Gustavo Paulo Duarte, da ANTRAM, explicou que "a reunião não servia para haver acordo" nem para levantar a greve, mas sim para "a definição dos serviços mínimos".

O vice-presidente do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, garante que enquanto não houver reunião com a ANTRAL, "a greve continuará e o estado crítico que se vive irá aumentar".

Os ministros da Administração Interna e do Ambiente e da Transição Energética declararam esta segunda-feira a "situação de alerta" devido à greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, implementando medidas excecionais para garantir os abastecimentos. Nesta altura, já são mais de 230 os postos sem combustível no país.

Esta situação de alerta para o período compreendido entre hoje e as 23h59 do dia 21 de abril determina, segundo uma nota do Governo enviada à Lusa, a "elevação do grau de prontidão e resposta operacional por parte das forças e serviços de segurança e de todos os agentes de proteção civil, com reforço de meios para operações de patrulhamento e escolta que permitam garantir a concretização das operações de abastecimento de combustíveis, bem como a respetiva segurança de pessoas e bens".

A nota refere que o Governo também determina a "declaração de reconhecimento de crise energética, que acautele de imediato níveis mínimos nos postos de abastecimento, de forma a garantir o abastecimento de serviços essenciais, designadamente para forças e serviços de segurança, assim como emergência médica, proteção e socorro".

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reiterou a necessidade de ser restabelecida a normalidade nos postos de combustível de norte a sul do país. Em declarações aos jornalistas no Parlamento, o governante confirmou que vários camiões estão a caminho do aeroporto de Lisboa que ficou praticamente sem combustível nas reservas.

Pedro Siza Vieira referiu ainda que irá ter lugar no Ministério das Infraestruturas uma reunião entre o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas e a ANTRAM, com a presença do ministro Pedro Nuno Santos.

Os camiões-cisterna que estavam a abastecer em Aveiras já saíram em direção ao Aeroporto de Lisboa. As oito viaturas estão a ser escoltadas por vários carros da Guarda Nacional Republicana e uma ambulância do INEM.

A Transtejo e a Soflusa informaram que apenas conseguem assegurar as ligações fluviais no Tejo até quarta e quinta-feira caso os tanques de combustível não sejam reabastecidos. Ambas as empresas garantiram à lusa que têm um plano de contingência via marítima caso o abastecimento de combustível não seja normalizado.

"Os tanques de combustível de abastecimento da Transtejo permitem cumprir o serviço público de transporte de passageiros até às 24:00 do dia 17 de abril [quarta-feira], enquanto os tanques da Soflusa permitirão operar até às 24:00 do dia 18 de abril [quinta-feira]", revelou a administração das empresas de transporte fluvial, em declarações escritas à agência Lusa.

A Transtejo e Soflusa referem ter a indicação de que a Galp "irá repor o abastecimento dos tanques muito brevemente".

Oito camiões-cisterna estão a abastecer em Aveiras mas ainda não saíram da Companhia Logística de Combustíveis. Conforme adiantou a agência Lusa, as viaturas serão escoltadas até ao aeroporto de Lisboa pela GNR. Por outro lado, já terá saído de Matosinhos pelo menos um camião carregado de combustível.

O Governo convocou uma reunião entre a ANTRAM e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas que decretou a greve que está a paralisar o país. A confirmação foi dada pelo presidente do sindicato, Francisco São Bento, ao repórter da TSF Tiago Santos, que está em Aveiras a acompanhar o protesto. A reunião entre as partes está agendada para as 21h00 no Ministério das Infraestruturas.

O INEM apela aos condutores para que deem "prioridade às viaturas de emergência médica nos postos de abastecimento".

Questionado pela TSF, o apelo é revelado pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) que acrescenta que no seguimento da greve dos motoristas de matérias perigosas "todas as viaturas do INEM, incluindo as do parque de reserva, foram atestadas durante a manhã".

A GNR confirmou que vai escoltar camiões-cisterna entre a Companhia Logística de Combustíveis, em Aveiras e o aeroporto de Lisboa. De acordo com a agência lusa, que cita a corporação, as viaturas estão a abastecer de combustível e serão acompanhadas por elementos da Unidade de Intervenção e do Destacamento de Trânsito da GNR.

Vários ouvintes disseram à TSF que há centenas de carros à espera para abastecer nos postos de combustível. Os Voluntários Digitais Em Situações de Emergências para Portugal (VOST Portugal) lançaram uma página através das redes sociais em que os utilizadores são convidados a colocar os postos que já não têm combustíveis. Às 17h20, havia centenas de postos sem qualquer combustível, em especial na Grande Lisboa e no Grande Porto. A plataforma pode ser consultada através de janaodaparaabastecer.vost.pt.

Dois aviões da Ryanair fizeram uma escala técnica no aeroporto de Santiago de Compostela para reabastecer antes de aterrarem em Faro. Os voos faziam a ligação entre Dublin e o aeroporto que serve o Algarve. A informação foi confirmada pelos controladores aéreos espanhóis no Twitter e já tinha sido adiantada pelo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, em conferência de imprensa.

Pelo menos um voo da TAP que iria fazer a ligação entre Lisboa e Porto foi cancelado devido à falta de combustível no aeroporto de Humberto Delgado. Há também vários postos de combustível na Grande Lisboa sem gasolina e gasóleo.

É a consequência direta da greve dos motoristas de matérias perigosas convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas. Os dirigentes reivindicam a criação de uma carreira especial para estes motoristas e aumentos salariais. A paralisação teve início às 00h00 de segunda-feira.

O Governo aprovou, esta terça-feira, uma Resolução do Conselho de Ministros na qual é reconhecida a necessidade de proceder à "requisição civil dos motoristas de matérias perigosas" que estão em greve por tempo indeterminado.

O comunicado do Conselho de Ministros extraordinário adianta que "a greve em curso afeta o abastecimento de combustíveis aos aeroportos, bombeiros e portos, bem como o abastecimento de combustíveis às empresas de transportes públicos e aos postos de abastecimento da grande Lisboa e do grande Porto".

A ANTRAM mostrou-se, desde a primeira hora, contra os motivos que levaram o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas a decretar a greve.

Entretanto, as empresas de transportes de passageiros adiantaram à agência lusa que "já estão nos limites" devido à falta de combustível. O presidente da Associação Nacional de Transportes Rodoviários de Pesados de Passageiros (ANTROP) explicou que "alguns operadores não estão a ser reabastecidos".

"Já havia recusas de abastecimentos por parte das petrolíferas e agora é uma questão de se esgotarem as reservas", referiu o líder associativo.

SAIBA TUDO SOBRE A CRISE DOS COMBUSTÍVEIS

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de