Greve terminou, mas o racionamento do combustível mantém-se

Governo ressalva que a normalização do abastecimento de combustível não vai ser imediata, mas, sim, gradual. A greve foi desconvocada depois do sindicato, a ANTRAM e o Governo terem chegado a consenso para dar início às negociações de um acordo coletivo de trabalho que deverá estar fechado até ao final deste ano.

11h48 - PSD anuncia, no Fórum TSF, que vai apresentar uma proposta para "instar o Governo a construir um oleoduto" para o Aeroporto Humberto Delgado, na próxima reunião da Câmara Municipal de Lisboa

11h32 - A Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro) afirma que repor a situação existente antes do início da greve pode demorar até cinco dias.

10h57 - O racionamento do combustível para o público irá manter-se, para já, confirmaram à TSF o Ministério das Infraestruturas e da Habitação e o Ministério do Ambiente e da Transição Energética.

O público pode realizar abastecimentos de até 15 litros de gasolina ou gasóleo, enquanto o restabelecimento total dos combustíveis não estiver finalizado. Consulte aqui a lista de postos de abastecimento prioritários (Anexo VIII, página 55 do documento).

10h07 - Em declarações à TSF, o vice-presidente do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas garantiu que os motoristas vão esforçar-se ao máximo para que o abastecimento de combustível regresse ao normal até à próxima segunda ou terça-feira, embora não possa garanti-lo.

8h48 - "É um dia para celebrar", diz Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas. O sindicalista afirma que este dia vai marcar a diferença no resto da vida dos motoristas de matérias perigosas. Pedro Pardal Henriques considera que o acordo alcançado é um "feito histórico" e sublinha que nunca tinha sido conseguido algo assim tão depressa.

A decisão de desconvocar a greve foi tomada devido à garantia, por parte da ANTRAM e do Governo, de que iriam dar início às negociações para um acordo coletivo de trabalho e que haveria um desfecho para esse compromisso até ao final do presente ano, explica o vice-presidente do sindicato.

Pardal Henriques constata que, em apenas três dias, o país ficou num "estado de calamidade" e que se a greve se prolongasse a situação ainda iria piorar. O sindicalista considera que ficou claro para o país qual a importância destes profissionais.

8h45 - Presidente da ANTRAM explica que, a partir desta tarde, os motoristas de matérias perigosas já estarão a fazer turnos completos, mas que é normal que o volume de combustível para os próximos dias "ainda não seja o que todos esperaremos". Motoristas esperam que a situação comece a normalizar nos próximos dias.

8h40 - "Temos de olhar para trás, perceber o que se passou e discutir aquilo que as pessoas que entenderam fazer greve pedem e merecem", diz Gustavo Paulo Duarte, presidente da ANTRAM.

O líder da ANTRAM reforça que este foi um processo difícil, sublinhando que não sabe fazer negociações em greve, optando por negociar primeiro e só depois, se não houver entendimento, avançar para uma paralisação - e daí o diferendo com a escolha feita pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosos.

Gustavo Paulo Duarte refere que, a partir de agora, serão iniciadas as negociações para um acordo coletivo de trabalho, ressalvando que as mesmas devem ser encaradas com "um espírito construtivo" e com "responsabilidade económica e social".

8h32 - Pedro Nuno Santos ressalva que a normalização não acontecerá de imediato, que será um processo gradual, embora estejam reunidas todas as condições para que a mesma seja resposta.

8h30 - Ministro responde a críticas e garante que o Governo esteve sempre a trabalhar desde a primeira hora para conseguir terminar a greve o mais depressa possível, mas respeitando todas as partes.

8h27 - "Motoristas tiveram uma importante vitória, fizeram-se ouvir, foram ouvidos e conseguiram o processo negocial para a dignificação e valorização do seu trabalho", diz o ministro, deixando também elogios à posição correta e leal tomada pelo sindicato.

8h23 - Pedro Nuno Santos começa a declaração, afirmando que foi possível chegar a um acordo com que todos se sentissem confortáveis, após três dias difíceis, de incerteza e insegurança.

8h18 - O ministro das Infraestruturas e da Habitação está vários minutos atrasado para a declaração ao país.

O ministro Pedro Nuno Santos, fez uma declaração, esta manhã, pelas 8h00, no Ministério das Infraestruturas e da Habitação, para anunciar o fim da greve dos motoristas de matérias perigosas, que, nos últimos três dias, originou uma crise dos combustíveis que tem causado o caos no país.

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosos (SNMMP) e a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) também prestaram declarações esta manhã.

Já esta madrugada, após 10 horas de reunião, o Governo, o SNMMP e a ANTRAM, tinham chegado a acordo para o alargamento dos serviços mínimos a todo o território - depois da contestação gerada pela anterior decisão que estabelecia que os mesmos só abrangiam os centros urbanos de Lisboa e Porto.

Ainda na quarta-feira, o Governo anunciara a criação de uma rede de 310 postos prioritários de abastecimento no país. Apesar de o objetivo passar por dar prioridade às entidades prioritárias, o público pode realizar abastecimentos de até 15 litros de gasolina ou gasóleo, enquanto o restabelecimento total dos combustíveis não estiver finalizado.

Notícia atualizada com correção da estimativa da data em que o abastecimento de combustível retomará a normalidade

SAIBA TUDO SOBRE A CRISE DOS COMBUSTÍVEIS

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de