Habitação vitalícia: proprietários e inquilinos vão pagar "brutalidade" de impostos

Associação Lisbonense de Proprietários faz contas ao decreto-lei que o Governo colocou em consulta pública.

A Associação Lisbonense de Proprietários diz que o texto colocado pelo Governo em consulta pública para criar o Direito de Habitação Duradoura (DHD), um novo regime entre o arrendamento e a compra que dá direito a viver de forma vitalícia numa casa, arrisca-se a ir para o "museu das curiosidades jurídicas".

O presidente da associação garante à TSF que o projeto de decreto-lei que leram vai na prática obrigar os futuros moradores que adquiram um título de Direito de Habitação Duradoura sobre uma casa a pagar IMT (Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis) pela caução de 10% a 20% do valor do imóvel, pois é isso que está previsto no código deste imposto que não é alterado pelo Executivo (algo que, aliás, não podia fazer sem a autorização do Parlamento).

Luís Menezes Leitão, que além de presidente da Associação Lisbonense de Proprietários é professor na Faculdade de Direito de Lisboa e advogado (candidato a bastonário da Ordem), fala em custos "brutais" com impostos e salienta que além dos moradores também os donos das casas irão pagar bastante às Finanças, pois no ano em que recebem a caução isso fará aumentar imenso a taxa do IRS.

O representante dos proprietários diz que o decreto-lei tenta isentar esta caução do IRS dos proprietários, mas não o pode fazer sem alterar, no Parlamento ou com uma autorização legislativa dos deputados, o Código deste imposto.

Luís Menezes Leitão vaticina que o Direito de Habitação Duradoura acabe no "museu das curiosidades jurídicas" porque não interessará nem a proprietários nem a inquilinos.

Recorde-se que o novo regime aprovado pelo Governo pretende dar às famílias uma habitação estável, por um período vitalício, mediante a entrega, ao proprietário, de uma caução e de uma prestação por cada mês de duração do contrato.

A Associação Nacional de Proprietários (ANP) também não está nada otimista quanto ao sucesso do Direito de Habitação Duradoura. Posição diferente tem outra associação, a Associação Portuguesa de Proprietários (APP), que está acredita no sucesso deste novo regime entre a compra e o arrendamento.

O presidente da APP admite que um proprietário particular terá mais custos com impostos se aderir ao DHD, mas sublinha que este novo instrumento se destina, sobretudo, a fundos de investimento imobiliário e não ao pequeno e tradicional senhorio.

A APP acredita que até tudo estar aprovado o Governo irá avançar com um regime fiscal específico que vai dar várias vantagens fiscais aos grandes fundos de investimento imobiliário, tornando interessante investir neste negócio.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de