Um terço dos jornalistas em Portugal ganha menos de 700 euros

Cerca de 90% dos jornalistas em Portugal consideram que o trabalho jornalístico está cada vez mais precário, aponta um inquérito recente.

A presidente do Sindicato dos Jornalistas, Sofia Branco, afirmou que um terço dos jornalistas em Portugal ganha um "salário indigno", menos de 700 euros líquidos, e que a precariedade "não escolhe idades".

"Esta é já uma realidade para um terço dos jornalistas em Portugal", garantiu Sofia Branco na conferência "Em Nome do Jornalismo", a decorrer, esta quinta-feira, no Centro Europeu Jean Monnet, em Lisboa.

O evento, que se realiza no Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, e é organizado pelo Sindicato dos Jornalistas em parceria com a Comissão Europeia, aborda diversos assuntos, desde as ameaças à liberdade de imprensa no espaço europeu, nomeadamente na Hungria e na Polónia, a crescente precariedade laboral na profissão, o papel e a ação dos sindicatos, o exemplo das redes de colaboração transnacionais e dos projetos independentes e a importância da ética e os desafios da nova era comunicacional.

Sofia Branco advertiu para o facto de o jornalismo não se reduzir "à função de informar", pois entende que também lhe cabe "escrutinar os poderes, vigiá-los, assacar-lhes responsabilidades e denunciar promessas não cumpridas".

"As redações esvaziam-se de gente e, com esta, vai-se a diversidade de olhares, o lema passou a ser fazer muito em menos tempo, o exercício da profissão está muito condicionado a agendas oficiais e institucionais e decisões impostas por chefias e administrações [...] e o espírito crítico está adormecido, o medo e a autocensura instalaram-se", lamentou a jornalista, incitando à participação dos jornalistas em órgãos de representação dos trabalhadores.

O jornalista espanhol Paco Audije, correspondente de La Libre Belgique e do Comité Executivo da Federação Internacional de Jornalistas, considerou que as condições de trabalho se deterioraram nos media. "O sentimento de um salário justo poucos jornalistas têm atualmente", frisou.

O professor e investigador do ISCTE-IUL, Miguel Crespo, e coautor do mais recente inquérito aos jornalistas portugueses, referiu que o trabalho realizado indicou que 64,2% dos jornalistas já pensaram em abandonar a profissão, o que "não é muito positivo" para um grupo profissional, sublinhou.

O estudo possibilitou também saber que há ceticismo em relação "à independência e autonomia", sobretudo num contexto marcado pela precariedade e pelas pressões externas, sendo que 70% dos jornalistas portugueses consideram que o jornalismo não é a profissão mais compensadora, contra 38% a nível internacional.

Cerca de 90% dos jornalistas em Portugal consideram que o trabalho jornalístico está cada vez mais precário contra 70% a nível internacional.

Para Nikos Tsimpidas, jornalista da Rádio ERT e representante dos trabalhadores na altura do fecho da estação pública grega, as coisas "estão a ir de mal a pior".

A segurança laboral e a independência são fundamentais na profissão de jornalista, defendeu, lembrando que "a segurança cria um ambiente propício para que a independência jornalística floresça".

Tsimpidas lamentou que os jovens jornalistas na Grécia trabalhem por 200 euros/mês e durante sete dias da semana, "muitas das vezes sem seguro nem direitos e, muitas vezes, fazendo 'copy paste' [copiar-colar]. A teoria do jornalismo é uma, mas a realidade é outra", ironizou.

As entidades patronais "não querem originalidade, pois isso leva tempo e a investigação jornalística não traz dinheiro e publicidade imediata", advertiu, apelando para que "só uma luta coletiva" poderá trazer resultados no futuro, pois sozinhos "é muito difícil" alcançar alguma coisa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de