eleições europeias

Lista do PS terá Açores e Madeira nos lugares elegíveis e será "paritária"

Cabeça de lista - que, ao que tudo indica será o atual ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques - é apresentado no dia 16 de fevereiro.

O secretário-geral do PS afirmou, esta quinta-feira, que a lista socialista às eleições europeias será "integralmente paritária" em termos de género e que os Açores e Madeira terão candidatos entre os primeiros oito lugares efetivos. Estes critérios inerentes à futura lista que os socialistas apresentarão às eleições europeias de 26 de maio foram transmitidos por António Costa logo na abertura da reunião da Comissão Política Nacional do PS, em Lisboa.

PUB

Na reunião, António Costa pediu um mandato a este órgão de direção do PS para apresentar o cabeça de lista socialista no próximo dia 16, durante a Convenção Europeia do partido, em Vila Nova de Gaia. Após ser apresentado o "número um" - que tudo indica que será o atual ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques -, os restantes elementos da lista deste partido serão aprovados numa nova Comissão Política do PS, que se realizará no próximo dia 28.

Segundo fonte socialista, António Costa, na sua intervenção, reiterou o princípio de que a lista de candidatos do PS será "integralmente paritária" em termos de género e, por outro lado, procurará ter "equilíbrio regional". Neste ponto, o secretário-geral do PS adiantou que, tal como aconteceu com a lista de 2004, os candidatos em representação dos Açores e da Madeira entrarão nos primeiros oito dos 21 lugares efetivos da lista, ou seja, entrarão na zona de elegibilidade quase garantida.

Além dos critérios da paridade e da cobertura regional, o líder socialista defendeu também o princípio "da continuidade dos quadros especializados" no Parlamento Europeu. Um recado de António Costa que, de acordo com o que dirigentes socialistas disseram à agência Lusa, foi entendido como uma confirmação de que os eurodeputados Pedro Silva Pereira e Carlos Zorrinho se manterão entre os lugares cimeiros da lista europeia socialista.

Em defesa deste critério de continuidade de alguns dos principais quadros do seu partido, António Costa argumentou que o PS tem de possuir representantes nas principais comissões especializadas do Parlamento Europeu.

Depois de fechada a lista europeia dos socialistas, o que acontecerá no dia 28, o PS vai reunir a sua Comissão Nacional - o órgão máximo entre congressos - no dia 09 de março, no Porto, para então aprovar o manifesto político que o partido apresentará às eleições europeias.

  COMENTÁRIOS