Europeias 2019

"Somos PS e lesados do BES!" Manifestantes tentaram confrontar Costa em Coimbra

Equipas de segurança foram obrigadas a intervir. Secretário-geral do PS desvalorizou e lembrou que há uma solução aceite "por 99%" dos lesados.

A visita de Pedro Marques e António Costa a Coimbra prometia ser apenas mais uma das que estão inseridas na campanha para as Europeias de 26 de maio, mas o cenário depressa mudou de figura.

PUB

No Largo da Portagem, junto ao Mondego, o secretário-geral do PS foi recebido por um grupo de Lesados do BES/Novo Banco, que tentaram mesmo aproximar-se do primeiro-ministro. Embora alguns envergassem t-shirts do PS, que fariam prever apoio a Costa e Marques, a verdade é que se gerou mesmo alguma confusão com as autoridades e seguranças do secretário-geral do PS, que foram obrigados a intervir.

"Tenha calma, tenha calma", ouvia-se entre os envolvidos nos confrontos. "Não estou a fazer mal! Vocês são malcriados", queixavam-se alguns dos intervenientes barrados, por baixo de gritos de incentivo ao PS.

E se os gritos de exaltação socialista poderiam ser vistos como uma forma de abafar os protestos, depressa se percebeu que tal não era o caso. "Nós somos PS! Temos direito a estar aqui! Somos PS e lesados!", esclarecia a voz de uma das manifestantes.

Jorge Novo, um dos lesados que falou aos jornalistas, garantiu que os manifestantes vão seguir o PS e todos os partidos até onde eles forem.

"Este é o único partido que, até à data, não nos recebeu. Todos os partidos nos têm recebido com educação. Estes senhores do PS não recebem os lesados de maneira nenhuma", atirava o porta-voz.

Depressa se juntaram outras vozes que acusavam os socialistas de serem "covardes" e que atacavam "o homem das contas certas, que afinal não faz contas com ninguém".

As vozes da discórdia viraram-se, de seguida, para os "malcriadotes" das equipas de segurança, acusando-os de "falta de educação". Jorge Novo reforçou: "Não se faz isto com os lesados. Somos cidadãos como outros quaisquer. Se temos de ter respeito, que também tenham respeito pelas pessoas", antes de esclarecer que tinha perdido no BES/Novo Banco "dinheiro da poupança de uma vida".

O homem de quem se falava era António Costa que, por entre a confusão, relembrou o diálogo mantido com os lesados. "Tivemos um processo de diálogo ativo com as associações dos lesados do BES, como temos tido com os lesados do BANIF, com a CMVM e com Banco de Portugal. Foi possível encontrar uma solução que teve já a adesão de 99% dos lesados", relembrou Costa.

Entre o 1% que não aceitou a solução estão os manifestantes que se fizeram ouvir em Coimbra. Face a estes dados Costa lembra que "se 99% aceitam uma solução" que, embora não resolva todas as questões, "procura mitigar o prejuízo", essa é uma "maioria relativamente expressiva".

  COMENTÁRIOS