Cientistas investigam costa portuguesa para perceber alterações climáticas

Expedição é uma iniciativa do "International Ocean Discovery Program", uma organização científica de investigação marinha.

Mais de duas dezenas de cientistas internacionais iniciaram esta quinta-feira uma expedição na costa portuguesa para investigar sedimentos marinhos e através deles perceber como se processaram as alterações climáticas há milhares de anos.

A expedição é uma iniciativa do "International Ocean Discovery Program" (IODP), uma organização científica de investigação marinha que estuda a dinâmica do planeta recuperando dados registados em sedimentos e rochas do fundo do mar.

Num comunicado a propósito da "Expedição 397" os organizadores notam que as temperaturas estão a subir e que o planeta está a viver um momento em que o clima global está a mudar, sendo necessário entender o que vai acontecer a seguir.

"Por vezes, para conhecermos o futuro, temos de olhar para o passado. A ´Expedição 397´ visa recolher núcleos de sedimentos marinhos ao largo da costa de Portugal que irão fornecer dados de alta resolução sobre as variações do clima antigo da Terra", explicam os responsáveis, acrescentando que quanto mais se entenderem os ambientes do passado mais fácil será avaliar como o planeta está a mudar hoje e como vai mudar no futuro.

Segundo o comunicado, a expedição decorre até meados de dezembro e realiza-se ao largo da costa a sudoeste de Lisboa. Os 26 cientistas irão investigar áreas onde os sedimentos marinhos se acumulam rapidamente, permitindo um registo altamente fiável das alterações climáticas em escalas temporais de centenas a milhares de anos, podendo retroceder até três a seis milhões de anos.

Explica-se no comunicado que os sinais climáticos da margem ibérica serão depois comparados com os recolhidos no gelo dos dois hemisférios, fornecendo uma ligação entre as alterações oceânicas e atmosféricas, incluindo a concentração de gases com efeito de estufa.

Os cientistas vão recolher amostras de núcleo sedimentar em diferentes profundidades, entre 1.300 e 4.700 metros abaixo do nível do mar, o que lhes vai permitir estudar a forma como a circulação em profundidade e a química do oceano mudaram no passado, incluindo o seu papel no armazenamento de carbono em águas profundas e nas alterações do dióxido de carbono atmosférico.

A maioria dos sedimentos no mar profundo acumula-se a taxas relativamente lentas, um a dois centímetros a cada mil anos, mas os sedimentos na zona que os cientistas vão trabalhar são depositados em mais quantidade, 10 a 20 centímetros a cada mil anos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de