Furacão Florence

"Não havia água, foi uma loucura." Portugueses nos EUA preparam chegada do Florence

"Toda a gente está a levar isto muito a sério", contou Ana Teresa Galizes, portuguesa a viver na capital do estado da Carolina do Norte, à TSF.

A população dos estados que podem ser afetados pelo furacão Florence está a preparar-se para o pior. Na zona está a haver uma corrida aos supermercados e às bombas de gasolina e muitos produtos já estão esgotados.

"Estamos a tentar preparar-nos, é possível que venhamos a perder a eletricidade, a água, estamos a encher garrafas. Queremos ter a certeza que temos baterias para os telemóveis e [que temos] pilhas", começou por contar Ana Teresa Galizes, uma portuguesa que vive em Raleigh, capital do estado da Carolina do Norte, há 21 anos.

Teresa vive a cerca de três horas da costa do estado e deslocou-se ao supermercado para comprar mantimentos, deparando-se com um cenário surpreendente. Quando chegou ao estabelecimento comercial não havia "água, pão e leite". "Foi uma loucura", reforçou.

Também falta a gasolina "porque há muita gente que tem geradores e há filas enormes nas estações de gasolina", disse em declarações à TSF.

"Toda a gente está a levar isto muito a sério. As pessoas da costa tiveram de ser retiradas. Foi porque há 22 anos houve outro furacão que provocou 25 mortos na Carolina do Norte e as pessoas ficaram sem eletricidade três semanas", recorda a portuguesa.

Recorde-se que o furacão Florence baixou para a categoria 2, mas continua a ser "grande e extremamente perigoso", segundo garantiu o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos da América.

Notícia atualizada às 9h00

  COMENTÁRIOS