Brasil

O voto dos senadores e o "sim" de Collor de Mello

55 senadores votaram a favor e 22 contra a abertura do processo de "impeachment". Um "sim" foi de Fernando Collor de Mello, que passou por um processo de destituição em 1992.

O antigo Presidente brasileiro votou a favor do processo de destituição e não poupou Dilma Rousseff no discurso que fez antes da votação.

"A História reservou-me este momento", declarou Fernando Collor de Mello, que em 1992 se demitiu antes de o Senado declarar a sua destituição por suspeitas de corrupção.

O agora senador discursou durante a madrugada e afirmou que, em 1992, foi "obrigado" a demitir-se depois de uma acusação contra si de "dois parágrafos". Collor de Mello sublinhou ainda que entre o seu caso e o da atual Presidente "o procedimento é o mesmo, mas não o ritmo, nem o rigor".

Durante o discurso, o senador não revelou formalmente o seu sentido de voto - que foi a favor da abertura do processo de impeachment - mas deixou várias críticas à atual presidência do país. "Nunca o Brasil conheceu uma convergência tão clara, como aguda de crise na política, na economia, na moralidade e nas instituições. Estamos no pico das crises, nas ruínas de um Governo, nas ruínas de um país", afirmou.

Collor de Mello sublinhou ainda que chegou a alertar Dilma sobre vários erros: "Não foi por falta de aviso. Desde o início desse governo fui ao longo dos anos a diversos interlocutores da presidente para mostrar os problemas que eu antevia e que desembocaram nesta crise sem precedentes. Falei dentro da minha convicção dos erros na economia, na excessiva intervenção estatal, nas imprudentes renúncias fiscais, falei da falta de diálogo com o Parlamento".

"Nos raros momentos com a presidente, externei minhas preocupações, especialmente após a sua reeleição, quando sugeri a ela uma reconciliação de seu novo governo com seus eleitores e com a classe política. Sugeri que fosse à televisão pedir desculpas por tudo que se falou na campanha eleitoral, desmentido depois por seus próprios atos, nos primeiros meses do atual mandato. Alertei-a sobre a impossibilidade de sofrer impeachment, mas não me escutaram", acrescentou.

Entre os senadores houve apenas uma abstenção. Renan Calheiros não votou por estar a exercer a presidência do Senado.

Como votaram os senadores:

Acir Gurgacz (PDT-RO) - Sim
Aécio Neves (PSDB-MG) - Sim
Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) - Sim
Alvaro Dias (PV-PR)- Sim
Ana Amélia (PP-RS) - Sim
Angela Portela (PT-RR) - Não
Antonio Anastasia (PSDB-MG) - Sim (relator)
Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) - Sim
Armando Monteiro (PTB-PE) - Não
Ataídes Oliveira (PSDB-TO) - Sim
Benedito de Lira (PP-AL) - Sim
Blairo Maggi (PR-MT) - Sim
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) - Sim
Ciro Nogueira (PP-PI) - Sim
Cristovam Buarque (PPS-DF)- Sim
Dalirio Beber (PSDB-SC) - Sim
Dário Berger (PSDB-SC) - Sim
Davi Alcolumbre (DEM-AP) - Sim
Donizeti Nogueira (PT-TO) - Não
Edison Lobão (PMDB-MA) - Sim
Eduardo Amorim (PSC-SE) - Sim
Elmano Férrer (PTB-PI) - Não
Eunício Oliveira (PMDB-CE) -Sim
Fátima Bezerra (PT-RN) - Não
Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) - Sim
Fernando Collor (PTC-AL) - Sim
Flexa Ribeiro (PSDB-PA)- Sim
Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)- Sim
Gladson Cameli (PP-AC) - Sim
Gleisi Hoffmann (PT-PR) - Não
Hélio José (PMDB-DF) - Sim
Humberto Costa (PT-PE) - Não
Ivo Cassol (PP-RO) - Sim
João Alberto Souza (PMDB-MA) - Não
João Capiberibe (PSB-AP) - Não
Jorge Viana (PT-AC) - Não
José Agripino (DEM-RN) - Sim
José Maranhão (PMDB-PB) - Sim
José Medeiros (PSD-MT) - Sim
José Pimentel (PT-CE) - Não
José Serra (PSDB-SP) - Sim
Lasier Martins (PDT-RS) - Sim
Lídice da Mata (PSB-BA) - Não
Lindbergh Farias (PT-RJ) - Não
Lúcia Vânia (PSB-GO)- Sim
Magno Malta (PR-ES)- Sim
Marcelo Crivella (PRB-RJ) - Sim
Maria do Carmo Alves (DEM-SE)- Sim
Marta Suplicy (PMDB-SP) - Sim
Omar Aziz (PSD-AM) - Sim
Otto Alencar (PSD-BA) - Não
Paulo Bauer (PSDB-SC) - Sim
Paulo Paim (PT-RS) - Não
Paulo Rocha (PT-PA) - Não
Raimundo Lira (PMDB-PB) - Sim (presidente da comissão do impeachment)
Randolfe Rodrigues (Rede-AP) - Não
Regina Sousa (PT-PI) - Não
Reguffe (Sem partido-DF) - Sim
Ricardo Ferraço (PMDB-ES) - Sim
Roberto Requião (PMDB-PR) - Não
Roberto Rocha (PSB-MA) -Sim
Romário (PSB-RJ)- Sim
Romero Jucá (PMDB-RR) - Sim
Ronaldo Caiado (DEM-GO) - Sim
Rose de Freitas (PMDB-ES) - Sim
Sérgio Petecão (PSD-AC) - Sim
Simone Tebet (PMDB-MS) - Sim
Tasso Jereissati (PSDB-CE) - Sim
Telmário Mota (PDT-RR) - Não
Valdir Raupp (PMDB-RO) - Sim
Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) - Não
Vicentinho Alves (PR-TO) - Sim
Waldemir Moka (PMDB-MS) - Sim
Walter Pinheiro (Sem partido-BA) - Não
Wellington Fagundes (PR-MT) - Sim
Wilder Morais (PP-GO)- Sim
Zezé Perrella (PDT-MG) - Sim

Absteve-se por estar no exercício da Presidência do Senado:

Renan Calheiros (PMDB-AL)

Ausentes:

Eduardo Braga (PMDB-AM)
Jader Barbalho (PMDB-PA)