Resgate na Tailândia

O convite foi feito, mas rapazes resgatados não vão poder ir à final do Mundial

A FIFA prometeu levar os rapazes que ficaram presos numa gruta na Tailândia a assistir à final do Campeonato do Mundo mas estes terão de ficar no hospital nos próximos dias.

Os médicos que cuidam dos rapazes que foram retirados da gruta no norte da Tailândia revelaram que os jovens devem ficar internados no hospital e não poderão ir assistir ao mundial de futebol.

"Eles não podem ir, têm de ficar no hospital por um tempo", disse Thongchai Lertwilairatanapong, do Ministério da Saúde tailandês, numa primeira entrevista sobre a saúde das crianças já retiradas da gruta e internadas.

"É provável que assistam na televisão", acrescentou o responsável, em declarações aos jornalistas no Hospital Chiang Rai.

Segundo um responsável da área da saúde, os rapazes deverão ficar internados pelo menos mais uma semana.

Os oito elementos da equipa de futebol já retirados da gruta de Tham Luang, em Chiang Rai, no norte da Tailândia, estão em quarentena no hospital, a aguardar confirmação sobre eventuais infeções. Dois estão a ser tratados por sinais de pneumonia.

Todos os rapazes internados têm de usar óculos escuros para se acostumarem à luz do dia, depois de quase duas semanas encurralados na gruta, sem comida.

O presidente da Federação Internacional de Futebol (FIFA), Gianni Infantino, tinha convidado os garotos a assistirem à final do Mundial de Futebol de 2018, que se disputa a 15 de julho, em Moscovo.

Se "seu estado de saúde permitir que eles viajem, a FIFA ficará feliz em convidá-los a participar da final da Copa do Mundo", escreveu Infantino numa carta ao presidente da Federação Tailandesa de Futebol.

Os 12 rapazes e o treinador foram explorar a gruta depois de um jogo de futebol no dia 23 de junho.

Na altura, as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída e impediram que as equipas de resgate os encontrassem. O acesso ao local onde ficaram encurralados só é possível via mergulho, através de túneis escuros e estreitos, cheios de água turva e correntes fortes.

Os oito rapazes que já foram salvos saíram da gruta numa operação urgente e perigosa, em que tiveram de mergulhar e atravessar diversas passagens apertadas e tortuosas da caverna.

A equipa de resgate espera conseguir retirar hoje os cinco elementos que faltam.

Um médico e três mergulhadores dos comandos da marinha tailandesa, que ficaram junto do grupo desde que foi encontrado, no início da semana passada, vão também sair hoje.

A terceira operação de resgate teve início pelas 10:00 (04:00 em Lisboa) e envolve 19 mergulhadores.

  COMENTÁRIOS