Por medo, há quem deixe de dormir em casa. Relatos da insegurança a norte de Moçambique

A Província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, tem sido palco de ataques que já causaram mais de 100 mortos. Motivações para esta onda de violência não são conhecidas. Os incidentes têm diminuído mas a população continua a sentir medo.

O Governo moçambicano diz que a situação no norte do país está controlada, mas a Comissão de Direitos Humanos tem uma ideia diferente e garante que há ainda muita insegurança.

Na semana passada, o ministro da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos garantiu no Parlamento de Maputo que a situação está controlada. Joaquim Veríssimo adiantou que as forças de defesa e segurança têm realizado ações de detenção e perseguição de suspeitos.

A Comissão de Direitos Humanos enviou uma equipa à região para recolher dados sobre o que se está a passar. O presidente Luis Bitone explica que a situação "só está controlada do ponto de vista da amplitude e dimensão. Houve uma altura em que todos os dias dávamos conta de casas incendiadas e muitas pessoas mortas. Neste momento há uma relativa acalmia do ponto de vista do impacto direto às populações mas em termos de insegurança continuamos a sentir muita preocupação das pessoas que não sabem o que vai acontecer no dia seguinte. Nós também sentimos que a insegurança continua a ser uma realidade."

Luis Bitone conta que muitos dos habitantes das aldeias, na província de Cabo Delgado, alteraram as rotinas. Por exemplo, deixaram de dormir em casa e têm medo do que podem encontrar quando andam pelos campos. Têm sido vários os casos de corpos abandonados em zonas remotas. O presidente da Comissão de Direitos Humanos contou à TSF o caso de Murrupula onde foram encontrados sete mortos: "Os relatos da população local indicam que, na calada da noite, um carro apareceu numa zona distante da vila onde os acessos são muito difíceis. O carro deixou os corpos e no dia seguinte os populares encontraram-nos. Os corpos ainda não foram identificados."

O presidente da Comissão considera que toda esta situação é muito difícil porque os responsáveis ainda não foram identificados, o que não permite qualquer tipo de diálogo ou de responsabilização. Quanto às motivações dos ataques, a Comissão ainda não tem certezas. "O que existe neste momento são especulações que não têm um fundamento logicamente construído. Fala-se de recursos naturais, de conflitos étnicos, de falta de trabalho mas ainda não chegámos a uma conclusão final."

A versão mais defendida é a de que os responsáveis pelos ataques são extremistas islâmicos, treinados por grupos extremistas de outros países (Somália, Tanzânia), mas Luis Bitone tem dúvidas porque em Moçambique não há uma tradição de extremismo religioso. No passado domingo, 11 de novembro, a comunidade islâmica saiu à rua em diversas zonas do país para negar qualquer relação com os atacantes.

As autoridades moçambicanas já solicitaram ajuda à comunidade internacional para esclarecer esta onda de violência que começou em outubro do ano passado. Cerca de uma centena de pessoas morreram nos ataques, entre civis, militares e atacantes.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de