Autoridades ucranianas acusam russos de lançar bombas de fósforo em Marinka

Foram identificados "uma dúzia de incêndios" provocados pelos projéteis e controlados pelos funcionários do Serviço Nacional de Situações de Emergência, alertou o chefe da administração militar da região de Donetsk.

As autoridades ucranianas acusaram esta quarta-feira as forças russas de lançarem bombas de fósforo durante o dia na pequena cidade de Marinka, localizada no leste da Ucrânia, tendo sido contabilizados cerca de 12 de incêndios.

"Os russos voltaram a usar hoje bombas de fósforo em Marinka [cidade que tinha 10 mil habitantes antes do início da guerra]", alertou o chefe da administração militar da região de Donetsk, Pavel Kyrylenko.

De acordo com Pavel Kyrylenko, foram identificados "uma dúzia de incêndios" provocados pelos projéteis e controlados pelos funcionários do Serviço Nacional de Situações de Emergência.

As bombas de fósforo são armas incendiárias cujo uso é proibido contra civis, mas não contra alvos militares, segundo uma convenção assinada em 1980 em Genebra (Suíça).

Na passada sexta-feira, a Rússia negou qualquer violação do direito internacional depois de ter sido repetidamente acusada pela Ucrânia de ter usado bombas de fósforo na invasão.

"As cidades de Georgievka, Novokalinovo e Otcheretino também foram bombardeadas", observou Pavel Kyrylenko, sem adiantar mais pormenores sobre as armas utilizadas.

"Não há nenhuma vítima a lamentar, mas várias casas ficaram danificadas", acrescentou.

Também foi realizado um ataque aéreo na aldeia de Slobojanske (nordeste), provocando a morte de uma mulher e do seu filho menor, anunciou o gabinete de imprensa da procuradoria regional de Kharkiv.

Foram ainda disparados mísseis contra uma fábrica em Novomoskovsk e depósito de petróleo em Dnipro (leste), salientou o chefe da administração militar da região, Valentyn Reznichenko, segundo o qual não houve vítimas.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1189 civis, incluindo 108 crianças, e feriu 1901, entre os quais 142 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de