Polícia investiga mortes após erupção na Nova Zelândia

Operações de busca foram retomadas, mas autoridades já não esperam encontrar com vida os oito turistas desaparecidos.

A polícia da Nova Zelândia vai a abrir uma investigação criminal para determinar se houve responsabilidades dos operadores turísticos, e outras instituições na morte de pelo menos cinco turistas na erupção do vulcão Whakaari.

As equipas de socorro retomaram esta madrugada (manhã na hora local) as operações de busca por pelo menos oito turistas desaparecidos junto ao vulcão que entrou em erupção na segunda-feira.

"Além dos cinco mortos, oito pessoas ainda estão desaparecidas", de acordo com um comunicado da polícia neozelandesa, no qual acrescentou que 47 pessoas estavam na ilha deserta no momento da erupção do Whakaari, ou White Island (ilha Branca, em inglês).

"Afirmaria convictamente que não há sobreviventes na ilha", disse aos jornalistas o comissário adjunto John Tims.

As autoridades indicaram que 31 pessoas estão hospitalizadas, 27 das quais com queimaduras em pelo menos 71% do corpo provocadas pela erupção. Três dos feridos já tiveram alta, mas o porta-voz do Ministério da Saúde admite que nem todos os feridos conseguirão sobreviver

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, afirmou que as equipas de resgate não encontraram "vestígios de vida" durante uma operação de busca em toda a ilha.

Durante o dia, aviões da polícia e da Força Aérea neozelandesas vão continuar a sobrevoar o vulcão para tentar encontrar os desaparecidos, embora as hipóteses de encontrar alguém com vida sejam reduzidas.

A erupção, ocorrida às 14h11 de segunda-feira (01h11 em Lisboa), libertou uma espessa nuvem de fumo branco, a uma altura de 3,6 quilómetros, além de rochas e uma grande quantidade de cinza.

Imagens captadas por uma câmara no local mostraram um grupo de meia dúzia de pessoas a andar pela cratera, alguns segundos antes da erupção do Whakaari.

Um "número considerável" de vítimas do desastre é australiana, de acordo com responsáveis da Austrália.

Patrocinado

Apoio de