Camboja nega informações sobre construção de base militar chinesa no país

Os Estados Unidos já manifestaram "séria preocupação" com a presença de tropas chinesas na base naval de Ream.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Camboja, Prak Sokhonn, negou hoje que a China esteja a construir secretamente uma base militar no país, num período de crescentes tensões entre as potências ocidentais e Pequim.

"A Constituição cambojana não permite a presença ou o estabelecimento de uma base militar estrangeira em solo cambojano", disse Prak Sokhonn, num comunicado divulgado na terça-feira à noite, após ter falado por telefone com a homóloga australiana, Penny Wong.

Uma cerimónia presidida pelo ministro da Defesa do Camboja, Tea Banh, e pelo embaixador chinês em Phnom Penh, Wang Wentian, está marcada para hoje, para inaugurar uma série de obras na base naval de Ream, no sul do país, financiadas pela China.

O ministro cambojano salientou no comunicado que a "renovação da base (naval de Ream) serve apenas para fortalecer as capacidades navais do país e proteger a sua integridade marítima e combater o crime", e que o convite endereçado aos adidos de defesa estrangeiros é um "gesto de cortesia".

A Austrália foi um dos primeiros países a manifestar preocupação com a informação publicada, no dia anterior, pelo jornal norte-americano The Washington Post, que afirma que a China está a construir secretamente uma base naval no Camboja, para uso exclusivo do seu exército.

De acordo com o artigo, enquanto fontes ocidentais afirmam que o Exército de Libertação Popular (PLA na sigla em inglês), as Forças Armadas chinesas, vão usar exclusivamente a base naval de Ream, localizada na província de Sihanoukville, um oficial chinês terá confirmado ao jornal que o exército chinês vai usar apenas parte da infraestrutura.

No entanto, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian, negou também aquelas informações.

A publicação soma-se a uma série de informações semelhantes, difundidas nos últimos anos, sobre alegados planos militares de Pequim no Camboja, sempre negados por ambas as partes.

Pequim apenas confirmou a existência de uma base fora do território chinês, no Djibuti, no Corno de África.

Os Estados Unidos já manifestaram "séria preocupação" com a presença de tropas chinesas nesta base cambojana, em junho do ano passado, durante a visita ao país da vice-secretária de Estado, Wendy Sherman.

A base naval de Ream está localizada no Golfo da Tailândia, local estratégico que permitiria à China fortalecer o controlo sobre as águas do Sudeste Asiático, cuja soberania é disputada com vários países da região, incluindo Vietname, Malásia, Brunei, Indonésia e Filipinas, além de Taiwan.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de