Conselho eleitoral holandês confirma vitória de partido do primeiro-ministro Mark Rutte

O VVD, partido do primeiro-ministro em exercício, conquistou 34 lugares, um a mais do que nas eleições legislativas de 2017.

O conselho eleitoral holandês confirmou esta sexta-feira a entrada de 17 partidos no Parlamento, com a vitória dos Liberais (VVD) de Mark Rutte e dos Progressistas (D66) de Sigrid Kaag, estando ainda em discussão a formação do Governo.

O VVD, partido do primeiro-ministro em exercício, conquistou 34 lugares, um a mais do que nas eleições legislativas de 2017, enquanto o D66 ganhou mais cinco deputados (ficando com 24), tornando-se o segundo maior partido e deslocando o Partido da Liberdade (PVV) de extrema-direita de Geert Wilders, que passa para o terceiro lugar, com 17 deputados.

O conselho eleitoral confirmou que existem 17 partidos com pelo menos um deputado eleito para o Congresso de Haia, um número recorde, e que a participação eleitoral foi de 78,7%, número ligeiramente inferior ao das eleições de 2017.

Mais de um milhão de pessoas usaram o voto por correspondência, ao qual tinham direito as pessoas com mais de 70 anos que queriam evitar ir às assembleias de voto, devido ao risco da pandemia de Covid-19.

A maioria dos partidos solicitou um debate parlamentar sobre o trabalho da ministra interina do Interior, Kajsa Ollongren (D66), e da senadora Annemarie Jorritsma (VVD), que se encarregaram de estudar soluções para a formação do novo Governo, mas estas apresentaram a sua demissão na quinta-feira.

A polémica começou quando Ollongren abandonou o seu cargo no Parlamento, ao saber que tinha testado positivo com Covid-19 e, acidentalmente, deixou papéis à vista nos quais escreveu notas pessoais sobre as reuniões que teve com os diferentes líderes políticos e comentários sobre a posição de alguns deputados, permitindo que o seu conteúdo pudesse ser fotografado.

Uma das anotações mais polémicas, que se tornou pública, diz respeito ao deputado democrata-cristão Pieter Omtzigt (CDA), de quem as notas de Ollongren insinuavam que poderia representar um problema para uma possível coligação governamental com liberais e progressistas, já que foi muito crítico do Governo cessante.

Para o lugar de negociadores para a formação do Governo foram escolhidos agora a ministra da Saúde, Tamara van Ark (VVD), e o ministro dos Assuntos Sociais, Wouter Koolmees (D66), que devem ainda hoje iniciar as rondas de conversações com os diversos partidos com assento parlamentar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de