EUA emitem novos alertas sobre ambições tecnológicas da China

O Governo chinês fixou metas para criar tecnologias lucrativas em robótica e em outros domínios, num plano conhecido como "Made in China 2025".

As autoridades norte-americanas emitiram novos alertas sobre as ambições da China em inteligência artificial e outras tecnologias avançadas que podem eventualmente dar a Pequim uma vantagem militar decisiva.

Os alertas incluem o esforço renovado para informar empresários, académicos e representantes do governo local e estadual sobre os riscos em aceitar investimento chinês ou conhecimento em indústrias-chave, indicaram fontes do National Counterintelligence and Security Center (Centro Nacional de Segurança e Contraespionagem).

Em concreto, de acordo com as fontes, são encorajados os esforços para controlar a propriedade intelectual e aplicar medidas de segurança.

Agências de segurança nacional sob a administração de Joe Biden estão a pressionar publicamente, de forma agressiva, a China, que alguns representantes consideram a maior ameaça estratégica para os Estados Unidos.

A administração do Presidente Biden tentou aliviar algumas tensões com Pequim, que datam do antecessor Donald Trump, e procura um caminho comum para o comércio e as alterações climáticas.

Pequim acusou reiteradamente Washington de fomentar o medo sobre as suas intenções e atacou os Estados Unidos pelas avaliações que faz da China, incluindo as alegações de que os líderes chineses ocultaram informação sensível sobre a pandemia da Covid-19.

O Governo chinês fixou metas para criar tecnologias lucrativas em robótica e em outros domínios, num plano conhecido como "Made in China 2025".

Na quinta-feira, o diretor interino do National Counterintelligence and Security Center, Michael Orlando, disse aos jornalistas que os Estados Unidos "não podem perder" terreno para a China em áreas-chave como inteligência artificial, sistemas autónomos, computação quântica, semicondutores e biotecnologia.

O responsável pelas tecnologias emergentes e disruptivas no National Counterintelligence and Security Center, Edward You, destacou que as empresas chinesas têm investido na Europa e nos Estados Unidos em áreas como a biotecnologia e a farmacêutica.

Segundo Edward You, a China tem a maior rede de acesso a dados médicos do mundo e um dia, com os seus avanços tecnológicos, poderá dominar na área da saúde e deixar os Estados Unidos totalmente dependentes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de