Bolsonaro admite deixar Acordo de Paris. "Se fosse bom, os EUA não tinham saído"

Ainda este ano, o Presidente brasileiro tinha prometido ao seu homólogo francês manter o país americano no tratado mundial.

Jair Bolsonaro admitiu esta quinta-feira a possibilidade de o Brasil abandonar o Acordo de Paris.

O Presidente brasileiro aproveitou para demonstrar ceticismo relativamente aos encontros internacionais dedicados ao debate das alterações climáticas, e acusou os países de tomar decisões "na sombra": "É só estudar a questão da região amazónica. No início, eu fui ridicularizado. Isto continua a ser tratado na sombra dos grandes encontros do clima."

Bolsonaro acrescentou que poderá sair do Acordo de Paris se tiver aliados de peso nesse processo. "Se fosse bom, o norte-americano não tinha saído. Nós, por enquanto, estamos lá. Se vamos sair um dia? Depende de quem estiver ao nosso lado. Certas brigas eu só posso 'comprar' se tiver gente forte do meu lado", disse ainda.

No fim de junho deste ano, o Estadista sinalizava a Macron que o Brasil continuaria comprometido com o tratado, num encontro de 20 minutos em Osaka, no Japão, durante o G20, reportava então o jornal Globo. A garantia do chefe de Estado brasileiro surgiu, nessa altura, em resposta à ameaça de França de não assinar um acordo comercial com o país da América Latina.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de