Mais de 130 mil descendentes de judeus expulsos pedem nacionalidade espanhola

A maioria dos pedidos foi feita por cidadãos do México (cerca de 20.000), Venezuela (cerca de 14.500) e Colômbia (cerca de 13.500).

Mais de 130 mil descendentes de judeus originários da Península Ibérica (Sefarditas), expulsos há 500 anos, solicitaram a nacionalidade espanhola, a maioria deles cidadãos de países da América Latina, segundo dados divulgados pelo Ministério da Justiça de Espanha.

O processo aberto há quatro anos pelo Governo de Madrid para conceder a nacionalidade espanhola aos Sefarditas expulsos de Espanha em 1492 terminou na segunda-feira com 132.226 pedidos registados.

A maioria dos pedidos foi feita por cidadãos do México (cerca de 20.000), Venezuela (cerca de 14.500) e Colômbia (cerca de 13.500) de acordo com os números divulgados.

Todos eles beneficiaram de uma lei aprovada em 2015 que permitiu aos sefarditas solicitar a nacionalidade espanhola sem ter que residir em Espanha e manter a sua própria, no caso dos descendentes tivessem um vínculo especial com a Espanha através do conhecimento da língua e da cultura.

O Parlamento espanhol pretendia reparar o que Madrid considera ser um "erro histórico": a expulsão de cerca de 200.000 judeus pelos reis católicos Isabel e Fernando, em nome da "pureza" da raça. Na altura, os judeus fugiram principalmente para o Império Otomano e para o norte de África.

Em Portugal houve um processo idêntico ao ocorrido em Espanha, depois de o país ter pedido desculpa pela expulsão dos judeus, e, em março de 201,5 publicado um diploma que concede o direito de cidadania aos descendentes dessas famílias.

O número de pedidos de nacionalidade portuguesa por judeus com origem sefardita cifrava-se em 33 mil, avançava em finais de maio do corrente ano Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de