Polícia espanhola detém cinco presumíveis jihadistas em Barcelona e Madrid

Operação de captura foi realizada em conjunto com as autoridades espanholas e outras agências, como o FBI, Europol e dos serviços de segurança da Argélia.

A Polícia espanhola anunciou esta quarta-feira a detenção em Barcelona e Madrid de cinco presumíveis 'jihadistas', entre eles o suposto cabecilha que recrutou os demais entre um grupo de jovens delinquentes, quando procuravam comprar uma metralhadora Kalashnikov.

Num comunicado é adiantado que a operação foi realizada pelo Comissariado Geral de Informações da Polícia Nacional e da Brigada Provincial de Informações de Barcelona, liderada pela Audiência Nacional, e com a colaboração de várias agências secretas internacionais, como o FBI, Europol e dos serviços de segurança da Argélia.

Quatro dos cinco "presumíveis 'jihadistas'" foram detidos em Barcelona entre janeiro e março e o quinto em Madrid já nos últimos dias.

Trata-se da segunda parte da "Operação Arbac", desenvolvida em janeiro passado e em que foram detidos três presumíveis 'jihadistas', um deles um suposto "retornado" do grupo extremista Estado Islâmico (EI), de nacionalidade argelina, que combateu no conflito sírio-iraquiano, bem como dois outros compatriotas.

Durante a investigação, verificou-se que os detidos contaram com a ajuda de uma outra pessoa que coordenou, a partir da Argélia, as medidas de segurança dos recém-chegados a Espanha para não serem detetados pelos serviços secretos locais.

Segundo o comunicado, o "coordenador" era identificado no grupo como 'Sheikh' (xeque).

Quando os três presumíveis 'jihadistas' foram presos, as atenções voltaram-se para o suposto chefe e, no final de março, foi detetada a sua entrada na Espanha, onde se fixou em Barcelona.

A investigação subsequente permitiu identificá-lo e verificar a sua ligação ao EI desde 2016, altura em que foi detido na Turquia ao tentar entrar numa zona de conflito para se juntar ao grupo extremista.

Depois de ser posto em liberdade, 'Sheikh' percorreu vários países, como a Malásia, Tanzânia e Argélia, onde continuou a recrutar jovens para a organização.

Em Barcelona, rodeou-se de um grupo de jovens criminosos argelinos que se dedicava de forma organizada a assaltar turistas.

Desde que 'Sheikh' chegou a Barcelona, verificou-se que vários dos jovens recrutados apresentavam "altos sinais de radicalização".

A Polícia espanhola decidiu prendê-los ao detetar que um dos integrantes do grupo estava a procurar comprar uma metralhadora 'Kalashnikov'.

Na residência do líder da célula terrorista, a polícia encontrou três catanas (com 60, 57 e 51 centímetros) e cerca de 70 munições.

Quatro dos detidos compareceram hoje perante um juiz da Audiência Nacional (um tribunal com sede em Madrid e que tem jurisdição em todo o território da Espanha), que ordenou a respetiva detenção. O quinto elemento será apresentado ao juiz nos próximos dias.

Os cinco estão acusados de pertencerem a uma organização terrorista e de auto doutrinamento. O presumível líder do grupo é acusado ainda de um crime de auto doutrinamento ativo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de