Polícia procura mais cinco suspeitos de ligação ao duplo homicídio na Amazónia

Três dos oito suspeitos da morte do jornalista britânico Dom Phillips e do ativista brasileiro Bruno Araújo Pereira já estão detidos. Um deles terá confessado o crime e conduzido as autoridades até ao local onde os corpos foram encontrados.

A polícia brasileira identificou mais cinco suspeitos de ligação aos homicídios do jornalista britânico Dom Phillips e do ativista brasileiro Bruno Araújo Pereira, cujos corpos foram encontrados na quarta-feira num local remoto na Amazónia.

A Polícia Federal, que coordena as investigações, informou numa nota divulgada no domingo que está a investigar oito suspeitos, três dos quais já estão detidos, incluindo um que terá confessado o crime e conduzido as autoridades até ao local onde os corpos foram encontrados.

As autoridades brasileiras revelaram na sexta-feira que acreditam que os três suspeitos já detidos - Jeferson da Silva Lima, conhecido como "Pelado da Dinha", e os irmãos Amarildo e Oseney da Costa Oliveira - "agiram sozinhos" no duplo homicídio.

No domingo, a polícia disse que os outros cinco suspeitos estão a ser investigados por supostamente terem ajudado a esconder os corpos, que foram enterrados na selva, a cerca de três quilómetros do rio onde o barco das vítimas foi intercetado.

Os cinco novos suspeitos poderão responder pelo crime de ocultação de corpo, o que lhes permitiria aguardar pelo julgamento em liberdade.

A Polícia Federal acrescentou no comunicado que prossegue com as investigações para tentar esclarecer todas as circunstâncias do crime.

Na quarta-feira à noite, as autoridades encontraram restos humanos numa zona remota da Amazónia, que foram posteriormente confirmados como sendo do jornalista britânico e do ativista brasileiro.

Phillips e Araújo desapareceram em 05 de junho quando navegavam num rio no Vale do Javari, uma região de selva perto das fronteiras do Brasil com o Peru e a Colômbia, onde tinham viajado para recolher material para um livro em que o jornalista estava a trabalhar sobre as ameaças enfrentadas pelos indígenas na região.

Dom Phillips foi um jornalista radicado durante 15 anos no Brasil, onde colaborou com vários meios de comunicação internacionais, como o Financial Times, o New York Times e o Washington Post, entre outros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de