Possibilidade de segunda vaga "é real" e deverá causar mesmo número de mortes

De acordo com Sergio Brusin, essa eventual segunda vaga "não irá apanhar [os países] tão mal preparados como aconteceu da primeira vez".

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) admite ser "muito provável" ocorrer uma segunda vaga de contágios de covid-19, estimando que, apesar de os países estarem melhor preparados, haja número semelhante de casos graves ou mortes.

Em entrevista à agência Lusa, o especialista principal do ECDC para resposta e operações de emergência, Sergio Brusin, indica que "o perigo [de uma segunda vaga] existe" e, embora "não seja possível dizer com certeza que haverá", é "muito provável que aconteça".

"Vimos em situações anteriores, com outras pandemias, que se registaram segundas vagas e temos de considerar que este é um vírus completamente novo", argumenta o responsável, que é um dos peritos mais experientes do ECDC para este tipo de surtos.

Questionado pela Lusa se, nessa segunda vaga, irá verificar-se um número inferior de casos ou de mortos, Sergio Brusin afasta esta possibilidade, devido à especificidade do novo coronavírus.

"Não penso que a mortalidade ou a mobilidade da doença mostre qualquer tipo de mudança, pelo que se houver uma segunda vaga, os números de mortes e de pessoas em cuidados intensivos será mais ou menos na mesma proporção do que temos agora, segundo o que conseguimos perceber", sustenta.

Segundo o especialista, "esta doença é particularmente mortal para pessoas acima dos 75 anos", sendo também mais grave para "pessoas com outras doenças associadas como complicações cardíacas e cancro".

E pode, ainda, afetar severamente outras camadas da população.

"Ninguém é completamente imune: as pessoas mais velhas estão particularmente em risco, mas todos, em menores percentagens, podem ter doenças graves", alerta o especialista, falando em casos de crianças e de bebés com sérias complicações por causa da covid-19.

De acordo com Sergio Brusin, essa eventual segunda vaga "não irá apanhar [os países] tão mal preparados como aconteceu da primeira vez", dado que "toda a Europa está numa situação muito melhor do que estava em fevereiro".

"O que irá mudar é que os serviços de saúde estarão muito melhor preparados para receber pessoas, que não haverá tanta falta de equipamentos de proteção, que haverá capacidade para testar mais rapidamente", elenca o responsável.

Por isso, "seremos capazes de conter muito melhor", acrescenta.

Sergio Brusin mostra-se, assim, "prudentemente otimista" de que, nessa eventual segunda vaga, a Europa mostre que "sabe exatamente o que fazer", adotando de imediato medidas como distanciamento social e físico e apostando na rápida deteção e na vigilância dos casos.

"A grande dificuldade será a economia e a paciência das pessoas [porque] sabemos que as pessoas sofreram bastante com o confinamento, tanto em termos económicos como sociais, e a questão é quanto mais tempo é que elas aguentam o confinamento", adianta o especialista.

A Europa é a região mais afetada do mundo pela pandemia, tendo já ultrapassado as barreiras das 150 mil mortes em milhões de casos.

Para combater a pandemia, os governos mandaram milhões de pessoas para casa, encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia.

"Até agora, a maioria das pessoas tem reagido de forma bastante positiva", conclui Sergio Brusin na entrevista à Lusa.

Sediado na Suécia, o ECDC é um organismo da União Europeia que ajuda os países a preparar a resposta a surtos de doenças.

Os elogios a Portugal

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) considera que o baixo número de doentes com covid-19 em Portugal, comparativamente a outros países, resulta da "intervenção precoce" das autoridades e da reduzida importação de casos do estrangeiro.

Numa altura em que o país já ultrapassou a barreira dos 27 mil casos e dos mil mortos, ainda assim muito abaixo do registado noutros países do espaço comunitário, o especialista principal do ECDC para resposta e operações de emergência, Sergio Brusin, afirma em entrevista à agência Lusa que "Portugal e outros países na Europa têm um número inferior de casos".

Uma das justificações é "a implementação atempada de medidas, que é algo que pode diminuir bastante a propagação", destaca o perito, que é um dos mais experientes daquele organismo da União Europeia (UE).

"Isto foi algo que aconteceu em Portugal e noutros países da Europa por causa da intervenção bastante precoce", reforça.

A outra justificação, de acordo com Sergio Brusin, "é que poderá ter havido menos introdução [de casos do] exterior, como aconteceu na Grécia, por exemplo".

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de