Três soldados arménios mortos em confrontos com forças do Azerbaijão

É o episódio mais grave desde o período de guerra em Nagorno-Karabakh no final do ano passado.

Três soldados arménios morreram esta quarta-feira em confrontos com forças do Azerbaijão, na fronteira entre os dois países, que deixaram ainda vários feridos, no episódio mais grave desde o período de guerra em Nagorno-Karabakh no final do ano passado.

A tensão permaneceu alta entre os dois vizinhos do Cáucaso desde o fim do conflito de seis semanas no outono passado, que deixou mais de 6.500 mortos e levou a uma derrota militar arménia e a um acordo de cessar-fogo mediado por Moscovo.

Nos últimos meses, vários confrontos armados colocaram a Arménia e o Azerbaijão na sua fronteira comum, enquanto Erevan acusa Baku de infiltrar-se no seu território para assumir o controlo de áreas que fazem fronteira com o Lago Sev, que os dois países compartilham.

Os confrontos de hoje ocorreram na área nordeste da fronteira, perto da aldeia de Sotk.

As forças arménias relataram três mortos e dois feridos nas suas fileiras. O Azerbaijão informou que dois de seus soldados ficaram feridos.

De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Arménia, as forças do Azerbaijão "lançaram uma ofensiva contra as posições arménias", após a qual "ocorreram combates locais".

O Ministério da Defesa do Azerbaijão, por sua vez, acusou as forças arménias de terem "usado armas pequenas e lançadores de granadas" para disparar contra as suas posições.

"As nossas unidades tomaram as medidas necessárias para neutralizar os pontos de fogo do inimigo", continuou o ministério do Azerbaijão, dizendo que tem a situação "sob controlo".

A Arménia perdeu aproximadamente 70% dos territórios que controlava em Nagorno-Karabakh na guerra com o Azerbaijão, para além de áreas vizinhas, que causou, no último ano, a morte a mais de 5.500 soldados e a cerca de 150 civis.

O território, disputado entre os dois países desde 1988, é reconhecido de forma internacional como pertença do Azerbaijão, embora tenha sido povoado por arménios.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de