Desilusões e destaque: arranque do Mundial no Catar

Começou ontem o Mundial no Catar. No arranque desta competição de futebol gostava de realçar dois pontos. Na verdade, uma semi-desilusão e um destaque.

Começo pelo último. O meu destaque vai para um jogador que aprecio como poucos e que é para mim o melhor de sempre na sua posição: estou a falar de Sérgio Busquets. Serão dos poucos jogos que verei neste Mundial. Que privilégio ter podido e poder acompanhar a sua carreira espanhola e no seu Barça. Da minha parte, só me resta ver todos os jogos deste craque com 34 anos de modo a aproveitar, a fazer render enquanto adepta num misto de alegria e tristeza.

A semi-desilusão? O presidente da FIFA Gianni Infantino. Não é uma surpresa total porque, infelizmente, já nos habituou à controvérsia. Mas, ainda assim, surpreendeu-me pela quantidade, pela cadência. Há muita matéria-prima por onde escolher. Mas, talvez ontem tenha batido no fundo com esta declaração para a qual o Mário Fernando me chamou à atenção: "Qualquer país pode ser anfitrião de um evento. Se a Coreia do Norte quiser receber alguma coisa... (...) Fui à Coreia do Norte há alguns anos perguntar se queriam organizar o Mundial feminino com a Coreia do Sul. Bem, obviamente que não fui bem sucedido, mas iria mais 100 vezes se isso ajudasse."

Caros ouvintes, Coreia do Norte com um regime totalitário a organizar um campeonato? Sinceramente, não tenho palavras para tamanha estupidez.

Mais grave, se tivermos em conta que, em 2023, só Gianni Infantino será candidato nas eleições da FIFA.

Que desalento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de