XI Convenção Nacional do BE

Luvas de limpeza, um horário precário e uma pedra. As armas de José Soeiro

Na luta bloquista pelos direitos dos trabalhadores, José Soeiro tem a mala cheia.

Uma luva de limpeza, uma escala de turnos, uma t-shirt e uma pedra foram exibidas na Convenção do BE para demonstrar que o partido está ao lado dos trabalhadores que lutam por melhores condições de trabalho.

O deputado José Soeiro mostrou estes objetos durante a sua intervenção na XI Convenção Nacional, em Lisboa, enquanto símbolos de instrumentos de trabalho de profissões ou movimentos que se deparam com problemas laborais.

Acenando com uma luva cor-de-rosa, que simboliza a luta das mulheres da limpeza, José Soeiro disse que "o trabalho destas mulheres também é essencial nesta convenção", embora só se dê por ele quando ele não é feito.

"Estas trabalhadoras ganham 3,20 euros à hora e não são aumentadas há uma década, 1,90 euros de subsídio de almoço que não é aumentado há uma década, trabalham ao sábado e ao domingo, muitas vezes de forma obrigatória, mas nem por isso ganham mais. Este problema tem uma raiz: a associação patronal fez caducar unilateralmente a convenção coletiva que as protegia", explicou, para a seguir fazer uma critica.

"A caducidade da contratualização coletiva que o PS quer manter na lei com o apoio da direita e com acordo dos patrões é uma faca apontada ao peito destas trabalhadoras", afirmou José Soeiro, tendo sido aplaudido pelos delegados.

De seguida, o dirigente mostrou uma escala de turnos, "testemunho de uma vida em contrarrelógio", como a dos trabalhadores da Groundforce.

Soeiro disse ainda que esta é uma tendência para aumentar em várias áreas como a hotelaria ou nos call centers, referindo que "também aqui o BE é aliado da sua luta".

Uma t-shirt que é mais do que uma t-shirt, disse o deputado ao mostrar depois o que disse ser "o emblema da criação do movimento para a criação de cuidadores informais, que representa milhares de pessoas que não tinham voz".

Por fim, o deputado mostrou uma pequena pedra, símbolo da luta dos trabalhares das pedreiras.

"Não simboliza uma migalha, é a dignidade de uma vida de trabalho", disse, referindo-se a estes trabalhadores.

No próximo Orçamento do Estado, o BE já tem um acordo com o PS sobre o regime dos trabalhadores das pedreiras, passando a prever a equiparação dos pedreiros ao atual regime dos mineiros, antecipando a idade da reforma.

Com a apresentação destes símbolos e do apoio a estas causas por parte do partido, o deputado quis mostrar aos delegados que o partido está preparado para os desafios futuros.

"São símbolos de lutas e da possibilidade de ganharmos, [estamos] preparados para ganhar", concluiu.

  COMENTÁRIOS