Política

Ministra comovida no Parlamento: "foi o momento mais difícil da minha vida"

Ministra volta a dizer que "seria muito mais fácil" demitir-se para "corresponder à vontade de alguns".Constança Urbano de Sousa promete apurar o que aconteceu: "Temos que nos perguntar se falhámos".

"Este não foi o momento mais difícil da minha carreira politica, foi o momento mais difícil minha vida", disse a ministra com a voz embargada e uma lágrima ao canto do olho.

Constança Urbano de Sousa repetiu os argumentos já invocados para justificar porque não se demitiu na sequência dos incêndios de Pedrogão Grande.

"Seria muito mais fácil demitir-me e corresponder à vontade de alguns que consideraram que uma demissão, a demissão da ministra, seria no fundo a solução para o problema e que no dia seguinte os problemas estavam todos resolvidos, mas não estão. Senti que naquele momento que era a minha missão estar com aqueles homens e mulheres que de forma inexcedível deram tudo o que tinham para resolver uma situação que era extremamente difícil", justificou a ministra.

A responsável pela pasta da Administração Interna garantiu que estão a ser apurados todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande "desde a primeira hora", sublinhou que esta "é uma tarefa que leva o seu tempo" e disse que até ela tem dúvidas.

"Que tipo de incêndio é este que, num tão curto espaço de tempo, se espalha em todas as direções como se fosse um "tsunami". Temos todos que perguntar se falhámos, onde, se poderíamos ter evitado a perda daquelas vidas humanas e mais de 200 feridos", disse.

A ministra defendeu ainda que é preciso saber se o sistema falhou e "qual o real impacto nas conhecidas dificuldades das comunicações".

  COMENTÁRIOS