Ministro revela dados sobre apoios a agricultores e exige pedido de desculpas

Capoulas Santos diz que o Governo vai revelar montantes e nomes de cerca de 25 mil agricultores apoiados na sequência dos incêndios. Quer desculpas da Associação de Apoio às Vítimas do Maior Incêndio.

O Governo vai publicar, nos próximos dias, no 'site' do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP), os nomes das mais de 25 mil pessoas que já receberam apoios por parte do Estado na sequência das tragédias dos incêndios do ano passado.

O anúncio foi feito, esta quarta-feira, no parlamento, pelo ministro da Agricultura, Capoulas Santos, que não gostou de ouvir as declarações proferidas no início do mês pelo presidente da Associação de Apoio às Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal sobre a falta de apoios.

"Para que não subsistam quaisquer dúvida nesta matéria, irei fazer publicar nos próximos dias, no 'site' do IFAP, os nomes e os montantes de todas as 25 mil pessoas que foram beneficiadas. E espero, a partir dessa data, um pedido de desculpas público de alguém que eu acho que não tem o direito de caluniar", disse o ministro, numa audição requerida pelos grupos parlamentares de BE, PCP e PSD, e fazendo referência às declarações do presidente da Associação de Apoio às Vítimas.

Segundo Capoulas Santos, vão ser publicados, "até ao final da semana", todos os dados "exceto aqueles que foram pagos pelo fundo financiamento 'Revita', em Pedrógão".

"O senhor ministro da Agricultura vende uma imagem de rosas, uma imagem de que apoiou 20 mil agricultores. Isso é mentira, é mentira. Não apoiou 20 mil agricultores, não há 20 mil agricultores", afirmou, no início do mês, no parlamento, Luís Lagos, presidente da Associação de Apoio às Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal

Durante a audição, e perante as críticas de deputados de várias bancadas, o ministro da Agricultura defendeu ainda que o "esforço" financeiro feito pelo Governo no apoio aos agricultores "não tem precedentes".

"Um apoio total de 91,7 milhões de euros, que é uma ajuda sem qualquer tipo de precedentes e que correspondeu a um enorme esforço financeiro, porque quase todo este volume de meios é do Orçamento do Estado", salientou Capoulas Santos, que adiantou ainda que as candidaturas simplificadas "absorveram 59,2 milhões de euros".

Candidaturas "reavaliadas", mas apenas nalguns casos

O ministro da Agricultura admite reabrir candidaturas de apoio aos agricultores afetados pelos incêndios do ano passado, mas apenas para os casos em que a ausência de candidatura seja justificável. No parlamento, Capoulas Santos garantiu que as reclamações dos agricultores vão ser analisadas, por exemplo, nas situações em que alguém não tenha podido candidatar-se por motivos de saúde.

"Haja uma pessoa que diga que esteve hospitalizada no período de abertura das candidaturas, que esteve ausente no estrangeiro, que teve um motivo ponderoso, para essas abriremos candidaturas. Para pessoas que foram negligentes, que não acreditavam, obviamente não abriremos candidaturas", disse Capoulas Santos, que defendeu que abrir candidaturas "por isto ou por aquilo" iria levar à "abertura de uma verdadeira Caixa de Pandora".

O ministro da Agricultura está a ser ouvido no parlamento, no âmbito das audições de acompanhamento das políticas do Governo após os incêndios do ano passado.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de