Crise na Venezuela

Paulo Rangel perde voo em Madrid e falha encontro com Guaidó

Paulo Rangel integrava uma delegação do Partido Popular Europeu para avaliar a situação politica e a realidade humanitária que se vive no país.

O deputado europeu Paulo Rangel diz-se "desolado" por ter perdido a ligação de Madrid para Caracas, onde se iria encontrar com Juan Guaidó o autoproclamado Presidente interino na Venezuela

PUB

Paulo Rangel integrava uma delegação do Partido Popular Europeu para avaliar a situação politica e a realidade humanitária que se vive no país.

O eurodeputado portuguesa queria ouvir também a comunidade portuguesa na Venezuela, mas agora já só terá avião na terça-feira.

Na sexta-feira, Paulo Rangel tinha dito à Lusa que iria a Caracas, juntamente com outros dois vice-presidentes do PPE, o espanhol Esteban González Pons e a holandesa Esther de Lange, entre outros, para ter "uma informação mais detalhada sobre a situação no terreno".

A Iberia, que assegura o trajeto do Porto para Caracas, passando por Madrid, "assumiu a responsabilidade, mas infelizmente só há novo voo na terça-feira", explicou hoje o eurodeputado, acrescentando que "nessa altura, terão já terminado os encontros previstos, nomeadamente com [o autoproclamado Presidente interino da Venezuela] Guaidó e com a comunidade lusa".

No final da mensagem, Paulo Rangel escreve: "Estou totalmente solidário com a missão. Muito triste por não a poder integrar, mas muito confiante no trabalho dos meus colegas!"

A delegação do PPE, o maior grupo político do Parlamento Europeu, estará na Venezuela até terça-feira, já tem encontros confirmados com todos os grupos parlamentares com representação na Assembleia Nacional (parlamento venezuelano) e com o presidente daquele órgão legislativo e autoproclamado Presidente interino venezuelano, Juan Guaidó.

O governo venezuelano tem insistido em negar a existência de uma crise humanitária no país e tem dito que não permitirá a entrada de ajuda na Venezuela.

A ajuda humanitária fornecida pelos Estados Unidos, que inclui alimentos e medicamentos, está retida atualmente na cidade fronteiriça colombiana de Cúcuta.

A dia 31 de janeiro, o PE reconheceu Guaidó como Presidente interino legítimo da Venezuela, à semelhança da maioria dos países da UE, e na sequência da posição assumida pelos Estados Unidos.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

A repressão dos protestos antigovernamentais desde 23 de janeiro provocou já 40 mortos, de acordo com várias organizações não-governamentais.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou mais de 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.

  COMENTÁRIOS