PSD

Rio responde à bancada: "Trabalho com todos os que quiserem trabalhar"

Depois de um almoço "muito agradável" com o Presidente da República, o novo líder do PSD disse que "conta com os 89 deputados" do PSD mas que "quem não quiser colaborar assume essa responsabilidade".

Não estavam previstas declarações depois do almoço de trabalho com o Presidente da República, mas Rui Rio "não quis ser antipático" e acabou a responder às questões dos jornalistas.

Questionado sobre a tensão na bancada social-democrata, com a eleição abaixo de 40 por cento dos votos do novo líder parlamentar e contestação interna, Rui Rio diz que conta com todos os parlamentares.

"Os deputados são 89, à partida contamos com 89. Aqueles que não quiserem colaborar assumem essa responsabilidade de não colaborar, vou trabalhar com todos aqueles que quiserem trabalhar", disse o novo líder do PSD.

Rio ainda não marcou data para ir ao Parlamento porque "a direção foi eleita há muito pouco tempo e nem sequer ainda foi toda eleita". "Deixe estabilizar", concluiu.

Sobre a Lei de Financiamento dos Partidos que volta a debate na próxima sexta feira depois de vetada pelo Presidente da República, Rio diz que mantém a opinião expressa durante a campanha, contra isenção de IVA nos partidos e vai "ver a questão em pormenor" com os deputados.

Durante a campanha interna Rui Rio disse que essa isenção só faz sentido para atividades políticas.

Marcelo e o papel "muito importante na aproximação dos partidos"

Durante o almoço de hora e meia com o Presidente da República, os dois passaram "falaram de tudo um pouco" e "em revista os diversos temas nacionais da atualidade e sem ser da atualidade", disse Rui Rio aos jornalistas, sem detalhar propostas concretas.

"Quando falamos em questões de reformas estruturais, naturalmente que ninguém traz as reformas estruturais numa pasta, têm de ser devidamente conversadas, articuladas, debatidas não só dentro do partido, como com os outros partidos", vincou Rio.

Questionado sobre o papel do Presidente da República nestes entendimentos, Rui Rio adiantou que Marcelo Rebelo de Sousa pode "ter um papel muito importante na aproximação dos partidos para um diálogo construtivo. Isso é uma coisa que agrada sempre a um Presidente da República".

Sobre as duas matérias em diálogo com o PS, a aplicação dos fundos comunitários e a descentralização, Rui Rio, em resposta ás críticas de Marques Mendes de que foi esquecida a valorização do interior, sublinhou que, para já, "o que está em cima da mesa é uma parte da descentralização, que tem a ver com a passagem de competências dos municípios",

"A descentralização é uma coisa muito maior, e é para se fazer direito, com calma, compassadamente no tempo, o que está em cima da mesa - e já estava - é uma parte", afirmou o líder do PSD.