Regras para creches não garantem risco zero, "mas minimizam"

"Tentamos conciliar o melhor de dois mundos. Permitir atividades lúdicas aos meninos com regras", diz Graça Freitas.

A diretora-geral da Saúde admitiu esta quarta-feira que as regras descritas na orientação da DGS sobre a reabertura das creches não garantem "risco zero" de contágio, assegurando que "minimizam" a probabilidade de infeção por covid-19.

"São regras que ajudam a minimizar o risco sem coartar o desenvolvimento normal deste grupo. Estamos a entrar num novo tipo de normalidade. Creio que não vai ser difícil para as instituições cumprirem estas indicações. [As crianças] vão brincar como é óbvio (...). Não há risco zero, mas [as regras] minimizam", afirmou Graça Freitas.

A diretora-geral da saúde, que falava aos jornalistas na conferência de imprensa diária de ponto de situação sobre a pandemia de covid-19 em Portugal, foi confrontada com a onda de críticas que tem surgido sobre as condições de reabertura das creches e com facto de especialistas alertarem para o impacto das restrições no desenvolvimento das crianças.

"A DGS [Direção-Geral da Saúde] emitiu um conjunto de boas práticas. Foram feitas conjuntamente com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e da Segurança Social e outros parceiros. Tentamos conciliar o melhor de dois mundos. Permitir atividades lúdicas aos meninos com regras", disse Graça Freitas.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de