Primeiro posto de abastecimento de autocarros a hidrogénio em Portugal vai ser em Ovar

O primeiro posto de abastecimento de combustível de hidrogénio para veículos vai ser instalado daqui a nove meses em Ovar.

O presidente da Caetano Bus, José Ramos, revelou à TSF que a fábrica de autocarros verdes de Ovar vai ter de produzir hidrogénio para autoconsumo porque ainda não há combustível a ser produzido e distribuído em Portugal.

"É urgente uma estratégia para as infraestruturas de hidrogénio em Portugal", defende a Caetano Bus.

José Ramos apoia a Estratégia Nacional para o Hidrogénio lançada pelo Governo, mas diz que falta a definição de um mapa e de um calendário para a rede de abastecimento. Por este motivo, a Caetano Bus teve de pôr mãos à obra e "adquirir um [posto de abastecimento] para a fábrica".

"Por incrível que pareça, temos de ir abastecer a Espanha para depois fazermos os testes" e, em termos logísticos e de preço, ir buscar o hidrogénio a Espanha tem altos custos, por isso, era hora do Governo português tomar outra atitude, afirma.

"Deveria o Governo investir e incentivar. Assim como existe a rede de abastecimento dos carros elétricos, também houvesse uma equivalente para o hidrogénio", defende José Ramos.

O primeiro "posto de abastecimento vai estar situado em Ovar porque a linha de chassis de mobilidade verde vai estar instalada naquela cidade" e, além do posto de abastecimento para os testes dos autocarros, este projeto contempla ainda a passagem das fábricas em Portugal a 100% livres de carbono.

"Estamos a pensar fazer autoprodução com energia verde. As três fábricas em Portugal vão ser 100% limpas em termos de consumo da energia. Através de painéis fotovoltaicos, vamos, com essa energia [solar], produzir o hidrogénio que depois utilizaremos para os equipamentos das fábricas", explica.

A Caetano Bus já está a fornecer 23 autocarros para o serviço de transportes públicos urbanos em cidades da Alemanha, Espanha e de França e a aposta da empresa no hidrogénio representa um investimento de 9,2 milhões de euros.

OE2021

José Ramos é também o presidente da Toyota Caetano Portugal e da Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP), e é nessa qualidade que critica a discriminação feita no Orçamento do Estado aos híbridos convencionais, que passam a pagar mais imposto.

A fiscalidade automóvel no Orçamento do Estado "é tudo menos ambientalista. Nasceu com base numa proposta da Zero e que o PAN acolheu, mas aquilo que foi aprovado não foi nada da mensagem que foi passada pela Zero e pelo PAN. A mensagem que era passada era relativamente a alguns plugins e, na prática, aquilo que aconteceu foi que a proposta aprovada na Assembleia da Republica fez tudo menos isso" e agravou a fiscalidade dos automóveis híbridos convencionais, considera.

Um normativo que acarreta problemas técnicos porque, de acordo com José Ramos, "num híbrido convencional não pode ser medida a autonomia" das baterias. Por outro lado, este tipo de fiscalidade também não ajuda na renovação do parque automóvel nacional.

Brexit

A Caetano Bus tem 90% da produção de autocarros vendida no Reino Unido e, por isso, o Brexit tem preocupado a vida da empresa, embora José Ramos admita que passou um Natal mais descansado.

O acordo "tem de ser retificado pelos parlamentos, mas acreditamos que foi dado um grande passo, que pelo menos essa dor de cabeça não a vamos ter, e, mal esta pandemia termine, as coisas vão voltar à normalidade". O acordo para o Brexit no dia 24 de dezembro "foi uma boa prenda de Natal que nós tivemos".

Pandemia

José Ramos revela, na TSF, que, este ano, a Caetano Bus vai fazer 440 autocarros em vez dos 700 que estavam previstos, porque os concursos pararam em toda a Europa.

A empresa produz autocarros de turismo, autocarros para aeroportos e autocarros urbanos.

"No turismo, deixámos de ter qualquer encomenda a partir de março e, até agora, estivemos a trabalhar com a carteira que tínhamos. No caso dos aeroportos, sucedeu o mesmo. No caso dos urbanos, a situação é diferente: a carteira de encomendas era maior, mas acontece que o Governo e as empresas públicas tinham perspetivas, devido à descarbonização, de abrir concursos para autocarros urbanos - mas, até agora, isso tem estado quase parado -, o que poderia ser uma janela de oportunidade para nós minimizarmos o decréscimo que temos nos autocarros de turismo", assinala José Ramos.

O gestor critica os concursos em Portugal porque têm um "problema grave" ao promoverem a compra pelos operadores de veículos usados, transformando Portugal "no caixote do lixo dos autocarros da Europa" com uma idade média de 15 anos da frota de pesados de passageiros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de