Novo coronavírus pode levar à redução dos preços das casas em Lisboa e Porto

Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal afirma que o setor imobiliário já está a sofrer as consequência da Covid-19.

O novo coronavírus está a fazer mossa na economia mundial e Portugal não é exceção. Depois de o turismo começar a sentir os primeiros efeitos - ainda antes de serem registados casos de infeção no país -, agora são os responsáveis pelo imobiliário que garantem que o setor já está a sofrer as consequências do surto.

"Não é uma questão única do setor imobiliário, mas este setor, como está muito próximo do turismo, está a sofrer rapidamente e já se nota isso. Neste momento, a preocupação das pessoas com a questão da doença faz com que coloquem, por exemplo, a decisão de compra de um ativo em segundo lugar, mas isso até é compreensível. O que não é compreensível é a quebra no investimento estrangeiro", explicou à TSF Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária em Portugal (APEMIP).

Numa altura em que o disparo do preço do imobiliário fez subir, para números nunca antes vistos, a riqueza total das famílias portuguesas, esta pandemia pode significar um rombo para os bolsos de muitos e levar à redução dos preços das casas em Lisboa e no Porto.

"Poderá levar, mas não é um sinal positivo desta situação. Poderá ser uma questão momentânea, de pânico, que leva algumas pessoas, até por questões de tesouraria, a colocar as casas no mercado a preços mais baratos. Nas alturas de crise isto acontece, mas isto é uma crise demasiado forçada que não interessa a ninguém no país, infelizmente", ressalvou o presidente da APEMIP.

Para já, o representante da APEMIP pede ao Governo que implemente medidas de apoio às empresas, pois acredita que muitas delas, sobretudo as mais pequenas, possam não conseguir sobreviver a esta crise.

"Devia haver um prazo em que não fosse possível exercer penhoras. Hoje o governo italiano tomou uma medida que vai ser extremamente positiva, no crédito à habitação, de uma mora para as pessoas poderem pagar os seus compromissos. Já temos uma preocupação com os trabalhadores, de como é que lhes vamos pagar, mas o Estado poderá ajudar-nos nessa parte. Temos de dar aos trabalhadores a garantia de que, quando passar esta fase, têm empresas para onde voltar. Tenho medo de que, quando voltarem, não tenham empresas para trabalhar", acrescentou Luís Lima.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de