Onze contabilistas suspeitos de terem cedido a pressões dos bancos

A Ordem dos Contabilistas Certificados abriu uma investigação disciplinar a 11 contabilistas certificados por, alegadamente, terem cedido a pressões de bancos para falsificar declarações e assim permitir que empresas pudessem aceder indevidamente a linhas de crédito com garantia do Estado.

Depois de ter denunciado pressões dos bancos para que os contabilistas "dessem um jeitinho", nas declarações sobre faturação das empresas, a bastonária da Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) revela à TSF que encontrou 11 casos de contabilistas que terão violado os regulamentos da Ordem.

"Foram encaminhados processos para o Conselho Jurisdicional, na parte disciplinar, daqueles que tivemos conhecimento que cederam", disse Paula Franco. "Remetemos os processos que achámos que tinham fundamento, foram cerca de 11", adiantou, frisando que o órgão de jurisdição é independente da direção e da bastonária.

A par destas averiguações internas, a OCC já apresentou ao Ministério Público uma queixa sobre as pressões bancárias aos contabilistas. "A queixa já foi enviada por correio, as pressões continuam, esperemos que com uma avaliação séria do Ministério Público estas situações comecem a deixar de ser uma questão", disse Paula Franco.

Os contabilistas foram os ventiladores das empresas

Em declarações a propósito do Dia do Contabilista que se assinala esta segunda-feira, a bastonária dos também conhecidos como técnicos oficiais de contas aplaude o papel "preponderante" que os profissionais da contabilidade desempenharam durante a pandemia.

"Estiveram na linha da frente, foram os ventiladores das empresas ao prestarem apoio aos empresários quando as empresas tiveram de fechar as portas." Sem os contabilistas, "teria sido mais difícil para todos os empresários encararem o que estava a acontecer", enfatiza a bastonária lembrando que "todos os dias durante três meses" foram publicados inúmeros diplomas que influenciavam a vida das empresas e os contabilistas "foram desbravando a legislação" para depois "explicar, ajudar e implementar os apoios que existiam".

Mudar a mentalidade do fisco

Em Portugal existem cerca de 71 mil contabilistas certificados, cerca de 33 mil são mulheres. A profissão está envelhecida havendo um "grande número" de profissionais acima dos 65 anos, pelo que é necessário que mais jovens qualificados entrem para a profissão entendendo que "a prestação de contas é algo essencial para o país". De acordo com Paula Franco, os contabilistas têm uma função que não é devidamente reconhecida a nível social.

Os desafios para o futuro passam por libertar os contabilistas de algumas "tarefas administrativas e manuais" que ocupam muito tempo, como por exemplo o arquivamento de documentos. Tarefas que, segundo a bastonária, não trazem mais-valias de conhecimento e que impedem estes profissionais de terem tempo para funções de análise e construção de informação de apoio à gestão das empresas.

Mas para a bastonária, a maior preocupação é a "relação muitas vezes desigual" com a Autoridade Tributária (AT). "Há uma necessidade enorme de simplificação de processos e de obrigações, de clarificação, de garantir mais direitos aos contribuintes, nomeadamente na aplicação de coimas", refere Paula Franco. Para a bastonária, urge "mudar a mentalidade da Autoridade Tributária no que respeita à aplicação de sanções e de coimas em qualquer situação". "Essa é a matéria que mais preocupa o contabilista certificado", conclui a bastonária da OCC.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de