Portugal é o segundo país europeu com preços mais baixos nos pacotes TV + Net + Telefone

Estudo da APRITEL conclui que portugueses pagam, em média, menos 34% do que a média europeia por pacotes TV+telefone+net. Nas ofertas que incluem comunicação móvel, o país também é o segundo mais barato.

Um estudo feito pela Deloitte para a Associação de Operadores de Comunicações Eletrónicas (APRITEL) mostra que os preços praticados em Portugal nos chamados pacotes 3P (ofertas comerciais das operadoras que incluem acesso a televisão, telefone fixo e internet em casa) e 4P (que a estes serviços juntam as comunicações móveis) são os segundos mais baratos na Europa.

A análise concluiu que "em Portugal os preços médios para os pacotes 3P são 34% inferiores à média dos países da União Europeia analisados (38,60€ face a 58,05€ valor considerando a paridade do poder de compra)".

Estes valores, explica a APRITEL, não são os reais, sendo calculados de forma a considerarem a capacidade de consumo das famílias. Os preços praticados na realidade, garante a associação, ficam abaixo destes e, olhando apenas para eles - sem ter em conta os rendimentos da população - o país é o que cobra faturas mais reduzidas.

França é o país onde os preços calculados desta forma são mais baixos: o custo médio mensal (tendo em conta a paridade do poder de compra) é de 31,52 euros mensais; no terceiro lugar do pódio surge a Alemanha, com 48,04 euros.

Já nos pacotes 4P (que incluem também as comunicações móveis), "os preços médios são 20% mais baixos (59,94 face a 75 euros)".

Também neste caso França é o país com preços mais baratos: 47,38 euros. A Áustria ocupa o bronze, com 64,92 euros.

O secretário-geral da APRITEL, Pedro Mota Soares, explica que a associação quis "comparar o que é comparável, incluindo a diferença de poder de compra entre Portugal e outros países".

O centrista e antigo ministro do governo PSD/CDS-PP conclui que "Portugal não só tem um dos melhores serviços de comunicações, mas com um dos preços mais baixos da Europa. É o preço mais baixo quando olhamos para o valor absoluto, e quando olhamos para a paridade do poder de compra, é o segundo mais baixo da Europa".

O estudo incidiu sobre os dez países com ofertas comerciais comparáveis (Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Estónia, França, Holanda, Hungria, Irlanda, e Reino Unido), o que Pedro Mota Soares explica com diferenças entre mercados e falta de dados: "sobre alguns países não existe informação; sobre outros, muito pequenos, não era possível fazer a comparação. Este método dá-nos a garantia de comprar produtos que são semelhantes, e que são os que os portugueses mais consomem".

O setor das comunicações eletrónicas em Portugal representa 2,3% do PIB e emprega cerca de 18.000 pessoas.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados