Costa garante que não citou "INE nenhum" sobre crescimento económico de 2021

Primeiro-ministro reagiu às declarações do Instituto Nacional de Estatística.

Depois de António Costa ter anunciado que o PIB cresceu 4,6 por cento em 2021, o Instituto Nacional de Estatística (INE) esclareceu que o resultado só vai ser anunciado a 31 de janeiro. Ainda assim, questionado pelos jornalistas se esta foi um trunfo eleitoral, o primeiro-ministro garante que são apenas previsões.

"Não citei INE nenhum, disse quais são as previsões com que estamos a trabalhar. O INE revelará os seus números quando os tiver. Não percebo essa questão", atirou António Costa.

O primeiro-ministro falava aos jornalistas durante uma arruada em Fafe, tendo reagido às declarações do Instituto Nacional de Estatística ao canal televisivo CNN Portugal que, depois de o líder socialista ter revelado na terça-feira que o país ia crescer 4,6%, afirmou que "ainda não apurou o resultado do 4.º trimestre de 2021" e que "não antecipa resultados aos membros do Governo".

"Já referi várias vezes este número. O que é que surgiu de novo agora, não sei. Este número é número que tenho utilizado várias vezes pelo menos desde a campanha eleitoral", reforçou.

Na terça-feira, durante uma arruada em Coimbra, António Costa afirmou que, apesar da crise sanitária provocada pela Covid-19, o país cresceu 4,6% em 2021 e salientou que a generalidade dos organismos internacionais estima um crescimento de 5,8% este ano.

Ao canal televisivo CNN Portugal, o INE enviou uma nota onde indica que, "em conformidade com a política de difusão seguida e que consta no portal", não antecipa "resultados aos membros do Governo".

"O INE ainda não apurou o resultado do 4.º trimestre de 2021 e, consequentemente, a variação média anual ainda não existe. Conforme o calendário habitual, só no próximo dia 31 de janeiro se saberá qual a primeira estimativa do INE", indicou.

Em outubro, no âmbito da discussão do Orçamento do Estado para 2022, o Governo estimou que o crescimento económico em 2021 seria na ordem dos 4,8%.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de