Francisco Assis sai em defesa de Vítor Constâncio

Numa carta enviada às redações Francisco Assis manifesta repugnância perante o que classifica de "processo de linchamento moral, cívico e profissional" e pede um rigoroso escrutínio.

Quebrar o silêncio. Francisco Assis quis deixar um abraço público a Vítor Constâncio com elogios ao caráter daquela que o dirigente socialista diz ser uma das grandes figuras da vida pública democrática, um "homem impoluto e superior". E ainda, na quebra do silêncio, Francisco Assis afirma que na vida pública "há silêncios que desonram quem neles se refugia".

Num dos parágrafos da carta enviada às redações, Francisco Assis traça um perfil rápido de Constâncio, "homem de excecional brilho intelectual", político rigoroso que, enquanto líder da oposição, ajudou a viabilizar uma revisão constitucional imprescindível e, na Europa, como vice-presidente do Banco Central Europeu, prestou grandes serviços.

Na ressalva desta carta, Francisco Assis afirma que a ação de Constâncio como governador do Banco de Portugal pode e deve ser escrutinada, só que esse escrutínio tem de obedecer a princípios de rigor e seriedade incompatíveis com a "verborreia demagógica" dos últimos dias.

Leia a carta na íntegra:

Declaração pública:
Tenho assistido com crescente repugnância a um insólito processo de linchamento moral, cívico e profissional de um homem impoluto e superior como é o dr. Victor Constâncio. Recuso-me a participar com o contributo do silêncio nessa infame campanha.
Victor Constâncio deu sobejas provas ao longo da sua vida de ser exactamente o contrário daquilo que agora se pretende insinuar que ele é. Homem de excepcional brilho intelectual, economista de escol, politico rigoroso e dotado de um sentido de Estado que o levou enquanto secretário-geral do PS e então líder da oposição a viabilizar activamente uma revisão constitucional imprescindível para o país. Victor Constâncio é uma das grandes figuras da nossa vida pública democrática.
Nos últimos anos, no desempenho das funções de vice-presidente do BCE, prestou grandes serviços à Europa no seu todo e aos países economicamente mais débeis, como é o caso de Portugal, em particular.
A sua acção como Governador do Banco de Portugal pode e deve ser escrutinada. Só que esse escrutínio tem de obedecer a princípios de rigor e seriedade e incompatíveis com a verborreia demagógica a que temos assistido nos últimos dias.
É por ter a certeza que Victor Constâncio é um homem sério e singularmente qualificado no plano económico, que ao longo da sua vida prestou relevantíssimos serviços ao país, que decidi tomar esta posição. Na vida publica há silêncios que desonram quem neles se refugia. Por isso aqui está a minha palavra.

Francisco Assis

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de