PS mais absoluto, PSD em queda livre. Aliança e Iniciativa Liberal podem eleger

A descida ao inferno do PSD continua, mês, após mês. Na mais recente sondagem da Pitagórica para a TSF e para o JN, o partido liderado por Rui Rio volta a perder intenções de voto, desta vez, a favor do Aliança e do Iniciativa Liberal. PS dá mais um passo rumo à maioria absoluta.

Quanto mais a luta aquece, mais perto da maioria absoluta está o PS. E quanto mais o tempo passa, mais o PSD se afunda nas sondagens. A "narrativa" tem vindo a ser construída ao longo dos últimos cinco meses. Se em abril o Partido Socialista tinha 37,2% das intenções de voto, em agosto chegou aos 43,6%. É uma subida de 6,4 pp em apenas 150 dias. De julho para agosto, o PS cresce mais 0,4 pp.

Em sentido contrário, o PSD continua em queda acelerada. De abril a agosto, os sociais-democratas já perderam 5,2 pp (de 25,6% para 20,4%). E as eleições são já daqui a pouco mais de um mês. Na mais recente sondagem da Pitagórica para a TSF e para o JN, o PSD volta a deslizar 1,2 pp para os 20,4% de intenções de voto. E não é preciso procurar muito, para saber onde param estes eleitores que o Partido Social Democrata está a perder.

Muitos continuam, claramente a ir para o PS. Mas outros tantos estão a dispersar-se por partidos do centro-direita, que acabaram de chegar à política portuguesa: o Aliança e o Iniciativa Liberal (IL). O partido de Pedro Santana Lopes volta a surgir no estudo de opinião da Pitagórica, com fortes possibilidades de eleição. 1,5% de intenções de voto, que representam um crescimento de 0,3 pp, face à sondagem de julho. Mas a grande surpresa, este mês, vem do Iniciativa Liberal. O partido liderado por Carlos Guimarães Pinto aparece, pela primeira vez, com fortes probabilidades de ganhar um assento na Assembleia da República. Em agosto, o IL alcança 1,3% de intenções de voto, o que representa um crescimento de 0,5 pp face a julho e 0,8 pp face a abril.

Para o CDS é que os eleitores do PSD não parecem estar a ir. O partido liderado por Assunção Cristas parece ser o sidecar dos sociais-democratas, nesta descida das sondagens. Em agosto, o CDS dá um trambolhão de 1,1 pp, para 4,9%. Cada vez mais longe de se afirmar como o principal partido da oposição em Portugal, cada vez mais perto do PAN, que, apesar de tudo, também resvalou este mês. O partido liderado por André Silva caiu ligeiramente em agosto (0,4 pp) para os 3,2% de intenções de voto.

À esquerda, o destaque vai sobretudo para o Bloco de Esquerda, que volta a crescer este mês para os 10%. Uma diferença de 0,8 pp face a julho e de 1,7 pp quando a comparação é feita com o mês de abril. Tendência contrária à da CDU que derrapou em agosto 0,2 pp para os 6,6% de intenções de voto. O que significa que os comunistas estão hoje praticamente no mesmo sítio onde estavam em abril.

E se o Aliança elegesse mas não fosse Santana Lopes?

É um dos dados mais curiosos desta sondagem da Pitagórica para a TSF e JN, em agosto. Na distribuição das intenções de voto do Aliança, é fácil perceber que é no grande Porto que o partido parece ter mais penentração. O círculo que tem Bruno Ferreira como cabeça de lista, atribui ao Aliança 2,6% de intenções de voto. Enquanto em Lisboa, onde Pedro Santana Lopes é o número um da lista, o partido recolhe apenas 1,4%.

A tendência mantém-se, quando olhamos para o Iniciativa Liberal: é no grande Porto que o partido de Carlos Guimarães Pinto recolhe 2% das intenções de voto, enquanto em Lisboa não vai além de 1,4%.

A leitura por região do país é igualmente interessante quando olhamos para o PSD. O partido liderado por Rui Rio não vai além dos 12,9% em Lisboa, que é menos de metade dos 29,3% do Partido Socialista. Já no grande Porto, os sociais-democratas conseguem 25%, ligeiramente acima dos 23% do PS.

Nesta sondagem de agosto, os indecisos rondam os 18%.

Em quem vota de certeza? E em quem nunca votaria?

Não saber o que se quer, mas ter a certeza do que não se quer. É assim que estão muitos dos eleitores a pouco mais de um mês das Legislativas. E, neste campeonato, Pedro Santana Lopes é o candidato que mais rejeição de voto provoca nos eleitores. Mais do que Jerónimo de Sousa (o segundo), do que Assunção Cristas (em terceiro lugar) e mais até do que André Ventura.

Em sentido contrário, António Costa é o candidato em quem mais eleitores têm a certeza que vão votar. Logo seguido de Rui Rio e de Catarina Martins.

Ficha técnica

Esta sondagem foi realizada pela Pitagórica para o JN e a TSF com o objetivo de avaliar a opinião dos portugueses sobre temas relacionados com a crise dos combustíveis.

O trabalho de campo decorreu entre os dias 12 e 24 de agosto, foram recolhidas 1525 entrevistas telefónicas a que corresponde uma margem de erro máxima de +/- 2,56% para um nível de confiança de 95,5%.

A amostra foi recolhida de forma aleatória junto de eleitores portugueses recenseados e foi devidamente estratificada por género, idade e região. A taxa de resposta foi de 72,86% e a direção técnica do estudo é da responsabilidade de Rita Marques da Silva.

A ficha técnica completa, bem como todos os resultados, foram depositados junto da Entidade Reguladora da Comunicação Social, que os disponibilizará para consulta online.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de