Tancos sem desgaste no PS e com subida no PSD

No primeiro dia em que se pode aferir, de forma mais clara, o eventual reflexo do caso de Tancos na campanha, nota-se que o PS até recupera e o PSD sobe mais de um ponto.

De ontem para hoje, o PSD subiu para os 27,7% de intenções de voto o que corresponde a uma subida de 1,3 pontos percentuais (pp). Esta subida pode ser entendida como uma recuperação de apoio junto de eleitores que antes diziam votar na Iniciativa Liberal, que neste estudo, cai dos 2% para 1,1%.

Mas o PS não parece sair, para já, penalizado pelo caso de Tancos e pelo despacho de acusação do Ministério Público que atribuiu ao antigo ministro da Defesa quatro crimes. Os resultados da sondagem diária da Pitagórica para a TSF/JN/TVI mostram que o PS recupera 0,6 pp e está nos 37,7% de intenções de voto, dez pontos acima do PSD.

Vale lembrar que esta sondagem diária implica que, todos os dias, são acrescentadas 150 novas entrevistas e são retiradas outras 150 mais antigas. Ou seja, os resultados de hoje compõe o total de 600 entrevistados que já foram, de algum modo, expostos aos reflexos da divulgação, há quatro dias, do despacho do Ministério Público.

Nesta sondagem diária, o Bloco de Esquerda perde cerca de meio ponto mas mantém-se nos 10% que tem sido a marca dos últimos dias. A CDU e o PAN estão praticamente na mesma: 6,3% para a coligação e 3,1% para o partido de André Silva.

Já o CDS também trava a queda dos últimos dias e regressa aos 4,4%, subiu quase 1 ponto em relação a ontem.
Entre os partidos ainda sem representação parlamentar, além da queda da Iniciativa Liberal, o LIVRE mantém-se nos 1,3%
Em contagem decrescente para as eleições do próximo domingo, diminui o número de indecisos: são agora 20% quando no início do mês eram quase 30%.

Ficha técnica:

Durante 4 dias (25 a 28 de Setembro 2019) foi recolhida diariamente pela Pitagórica para a TVI, o JN e a TSF uma sub-amostra de 150 entrevistas representativa do universo eleitoral português (não probabilístico) tendo por base os critérios de género, idade e região. O resultado do apuramento dos 4 últimos dias de trabalho de campo, implica uma amostra 600 indivíduos que para um grau de confiança de 95,5% corresponde a uma margem de erro máxima de ±4,07%. A seleção dos entrevistados foi realizada através de geração aleatória de números de "telemóvel" mantendo a proporção dos 3 principais operadores identificados pelo relatório da ANACOM, sempre que necessário são selecionados aleatoriamente números fixos para apoiar o cumprimento do plano amostral. As entrevistas são recolhidas através de entrevista telefónica (CATI - Computer Assisted Telephone Interviewing).
O estudo tem como objetivo avaliar a opinião dos eleitores Portugueses, sobre temas relacionados com as eleições, nomeadamente os principais protagonistas, os momentos da campanha bem como a intenção de voto nos vários partidos.
A taxa de resposta foi de 60,30%, a direção técnica do estudo é da responsabilidade de Rita Marques da Silva.
A taxa de abstenção expressa na sondagem é de 4,3% a que acresce 42,5% que na abordagem inicial se recusaram a responder à entrevista por não pretenderem votar nesta eleição, totalizando 46,8% de abstenção.
A Ficha técnica completa bem como todos os resultados foram disponibilizados junto da Entidade Reguladora da Comunicação Social que os disponibilizará oportunamente online.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de