Autoridades de saúde só receberam um caso de Covid de quem esteve na festa do Sporting

Com um Rt de 1,10, segundo a Faculdade de Ciências, a região de Lisboa lidera o aumento da Covid-19 no país, mas ainda não existem sinais de que a culpa seja da festa do título.

Apesar de ser a região do Continente com um maior aumento da incidência de novos casos e um índice de transmissibilidade (Rt) mais elevado, ainda não há sinais que confirmem que a festa da vitória do Sporting no campeonato tenha tido efeitos no aumento de casos.

A TSF sabe que as autoridades de saúde têm, de facto, a expectativa de que existam essas consequências, mas, até agora, apenas surgiu um caso potencialmente associado à festa.

Os 15 delegados de saúde da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo receberam, aliás, na última semana, instruções para estarem alerta em relação ao surgimento de casos de Covid-19 relacionados com a festa do campeonato na noite de 11 para 12 de maio, há pouco mais de uma semana.

A TSF também apurou que, até ao momento, só existe um caso de um jovem contagiado que disse que esteve na festa verde e branca, sendo que, mesmo nessa situação, é preciso aprofundar o inquérito epidemiológico para perceber se essa pode, efetivamente, ter sido a provável causa da infecção.

Rt sobe mais em Lisboa, mas já subia antes

Recorde-se que a Direção-Geral de Saúde (DGS) divulgou esta quarta-feira que o Rt nacional subiu para 1,02. Carlos Antunes, perito da equipa da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa que tem colaborado com as autoridades de saúde, recorda, contudo, que o cálculo anterior tem um atraso de cerca de uma semana.

Os dados mais recentes, calculados pela Faculdade de Ciências, apontam para um Rt que já chegou, entretanto, a 19 de maio, a nível nacional, aos 1,06, numa subida que começou a 4 de maio e se prolonga há duas semanas.

Na divisão por regiões, Carlos Antunes explica que em Lisboa e Vale do Tejo o Rt chega a 1,10, bem acima dos 1,04 do Centro, dos 1,00 do Norte ou do Alentejo e Algarve que se mantêm abaixo de 1. Pelos cálculos da TSF aos dados da DGS, a média de novos casos aumentou cerca de 40% nos últimos dois dias em Lisboa e Vale do Tejo, bem acima de qualquer outra região do Continente. Carlos Antunes confirma que a região da capital "revela um comportamento" diferente das outras regiões, nomeadamente por um maior aumento da incidência dos 20 aos 39 anos, exatamente a faixa etária que o especialista espera que tenha estado mais presente na festa do título.

Lisboa e Vale do Tejo é mesmo a única região onde a pandemia está a subir nas idades dos 20 aos 29, mas o especialista explica que essa subida já se verificava na semana antes da vitória dos leões - tal como dos 30 aos 39 anos.

Subida do Rt é sinal de alerta e não de alarme

Sobre o aumento do Rt a nível nacional, Carlos Antunes explica que este deve ser um sinal de alerta e não de alarme. Ou seja, uma "preocupação moderada", pois a incidência ainda é baixa, havendo uma espécie de cordão de segurança com grande parte dos grupos de risco já vacinados, a diminuição das hospitalizações, bem como a mortalidade em níveis que considera baixos.

No caso de Lisboa e Vale do Tejo, o investigador defende que é preciso, acima de tudo, manter e reforçar a vigilância da saúde pública, apostando, especialmente, na testagem massiva de forma a quebrar as cadeias de transmissão.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de