"Em luta por nós e pelos alunos." Greve de professores decretada pelo S.TO.P com adesão elevada

Esta paralisação vai durar por tempo indeterminado. À TSF, o presidente do S.T.O.P, André Pestana, diz os professores estão "desmotivados, exaustos e desprestigiados" e que "não tem havido uma negociação séria por parte do Ministério da Educação".

A greve de professores que teve início esta sexta-feira por melhores condições de trabalho está a ter uma adesão elevada, disse fonte do Sindicato de Todos os Professores (S.TO.P), que decretou esta paralisação, que durará por tempo indeterminado.

"Um pouco por todo o país, desde o Algarve a Caminha, passando por Aveiro, Coimbra, Lisboa, muitos professores que entravam só à tarde levantaram-se bem cedo para estar às 07h30 à frente da sua escola, a distribuir comunicados e a explicar aos pais porque é que estamos em luta. Estamos em luta por nós, mas também pelos nossos alunos, porque como todos entenderão, profissionais de educação desmotivados, exaustos e desprestigiados não é bom para as nossas crianças e jovens", explica à TSF o presidente do S.T.O.P, André Pestana.

O líder do S.T.O.P acusa ainda o Governo de não querer negociar de forma séria.

"Não tem havido uma negociação séria por parte do Ministério da Educação e, por isso, espero que o Ministério entenda que esta greve está a causar impacto fortíssimo. Esperamos que haja bom senso por parte do Ministério da Educação e que nos chame para negociar. Esta greve só será parada quando os professores sufragarem que se deve parar esta greve, seja porque o Governo cedeu ou porque os professores consideraram que são suficientes as cedências do Ministério", acrescenta, sublinhando que "esta greve é 100% legal".

"Algumas escolas poderão não ter aulas hoje devido à greve que é uma greve de e para professores independentemente dos sindicatos ou de serem sindicalizados ou não. A esta hora ainda não conseguimos contabilizar, mas posso adiantar que a adesão é grande e mostra o descontentamento da classe", disse à agência Lusa o presidente do S.TO.P, André Pestana.

De acordo com o presidente do S.TO.P, esta greve é "um sinal contra as políticas de quem tem destruído a escola pública e as condições de quem trabalha".

André Pestana adiantou que os professores defendem uma gestão e recrutamento de professores pela graduação do profissional e sem perfil ou mapas, sem conselhos de diretores a selecionarem o recrutamento.

"Reivindicamos igualmente um aumento do salário que compense a inflação. Os professores desde 2009 perderam mais de 20% do seu poder de compra. Queremos também a contagem de todo o tempo de serviço docente e o acesso ao 5.º e 7.º escalões sem quotas. Há mais reivindicações, mas estas conseguem compilar um sentir de toda a classe", referiu.

André Pestana sublinhou que a greve é por tempo indeterminado e são os professores que vão determinar o seu fim.

"A luta vai continuar e temos já marcada uma grande manifestação para dia 17 de dezembro em Lisboa, com ponto de encontro marcado para as 15h00 no Marquês de Pombal", indicou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de