Enfermeiros voltam à luta com os 200 mil euros que restaram do crowdfunding

Um ano depois do início da greve cirúrgica, os enfermeiros que lançaram a campanha de crowdfunding prometem voltar à luta em breve.

Catarina Barbosa, uma das mentoras do grupo que lançou a campanha de crowdfunding que financiou as greves dos enfermeiros, anunciou que os profissionais pretendem aplicar os cerca de 200 mil euros que restaram da campanha em novas ações de luta pela carreira.

Em declarações à TSF, a enfermeira confirma que o dinheiro "existe, está guardado". "Temos novos planos para aplicar esse dinheiro. Vamos voltar à luta e esse dinheiro vai ser aplicado."

Catarina Barbosa não revelou, para já, que ações pretendem desenvolver mas garante que estão para "muito breve", pedindo aos enfermeiros que fiquem atentos.

Os enfermeiros conseguiram angariar 784 mil euros através do financiamento colaborativo que serviram para financiar as duas greves às cirurgias programadas dos enfermeiros dos blocos operatórios de vários centros hospitalares e hospitais públicos.

A polémica gerada em torno do apoio aos protestos dos enfermeiros através de crowdfunding levou a uma inspeção por parte da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, que não detetou irregularidades na campanha.

Por essa razão, Catarina Barbosa explicou à TSF que não houve devoluções de dinheiro. "A ASAE já disse que foi tudo legal, por isso não faria sentido haver essas devoluções."

Um ano depois do início do movimento greve cirúrgica, Catarina Barbosa afirma que valeu a pena "lutar pelos direitos [dos enfermeiros) e por aquilo que é justo" porque os profissionais conseguiram atingir algumas alterações à carreira.

Ainda assim, garante: "Não está, de todo, ainda como precisamos. Ainda temos reposicionamentos para fazer, que não estão a ser contabilizados corretamente, instituições que fazem interpretações diferentes da lei."

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados