Falta de quartos para estudantes em Lisboa é "alarmante" e exige "que o Governo se apresse"

Federação Académica de Lisboa pede "intervenção urgente" e "financiamento" para resolver a escassez de alojamento académico no país.

De Norte a Sul do país, sucedem-se as queixas: não há alojamento suficiente para os estudantes que entraram para o ensino superior. E a oferta que há disponível é, para muitas famílias, incomportável. O problema, que já era "preocupante", é agora "mais alarmante", afirma à TSF o presidente da Federação Académica de Lisboa.

Se antes das colocações já havia relatos de dificuldades em encontrar um alojamento, o que se espera agora é que as queixas aumentem, depois de quase 50 mil estudantes terem ficado colocados no ensino superior na primeira fase de acesso.

"Já havia uma inexistência muito grande de quartos e de preços muito inflacionados no mercado, especialmente quando estamos a falar de Lisboa. Acho que este ano tanto uma [coisa] como outra se acentuaram", sublinha João Machado. E acrescenta: "Mesmo que um estudante até consiga arranjar um quarto, é uma outra história saber se está disponível e se a família consegue pagar 300, 400 ou 500 euros por mês."

O responsável aponta que o Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior (PNAES), criado em 2018 com o objetivo de duplicar o número de camas para os estudantes universitários, teve até agora uma "execução fraquíssima".

A expectativa é que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) seja um impulso para que o programa dê frutos. "Efetivamente, é um plano até 2026 (...) A verdade é que ainda não se começaram a criar camas. Era importante que fosse avançando e que fosse executado o mais rapidamente possível", diz.

O problema do alojamento, frisa João Machado, "requer intervenção urgente, investimento e que o Governo se apresse". "Exige-se uma antecipação do problema que não houve até agora", acrescenta, esperando notícias para "breve" relativamente a esta questão.

E no imediato, o que pode ser feito? "No imediato, infelizmente, não há muito que se possa fazer", responde, lançando, no entanto duas ideias: atribuir benefícios fiscais para quem aluga quartos aos estudantes e estabelecer protocolos com o alojamento local, à imagem do que se fez durante a pandemia.

Esta segunda-feira, também a presidente da Federação Académica do Porto (FAP), Ana Gabriela Cabilhas, manifestou preocupação com a falta de alojamento para os estudantes que chegam ao ensino superior, referindo que "estão colocados, mas desalojados".

Quase 50 mil alunos conseguiram entrar para o ensino superior na primeira fase do concurso nacional de acesso, em que só 19% dos candidatos não obtiveram colocação.

No total, são 49.806 novos estudantes no ensino superior público, o segundo maior número em 33 anos, superado apenas pelos quase 51 mil alunos que ficaram colocados na primeira fase do concurso em 2020.

O crescente número de alunos no ensino superior é visto como uma "boa notícia" para o país, mas do universo académico surgem vários alertas. Em declarações à TSF no domingo, o Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) também avisou que são necessárias "condições" para acolher os alunos e, ao mesmo tempo, dar estabilidade ao corpo docente das instituições de ensino.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de