Gases poluentes: fiscalização mais rigorosa a partir de dezembro

O Governo promete novos critérios "mais restritivos" para emissões poluentes e um "controlo mais rigoroso de mecanismos antipoluição", no final do ano.

Depois de anos de denúncias sobre a remoção ilegal de filtros de partículas de automóveis feita por algumas oficinas, a fiscalização deverá ser mais apertada "de dezembro próximo", anunciou o ministro do Ambiente, no Parlamento.

"O IMT já aprovou o novo quadro de classificação de deficiências nas inspeções técnicas automóveis", disse João Pedro Matos Fernandes na Comissão Parlamentar de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, onde compareceu a pedido de CDS e PSD.

"Estas novas exigências de os centros de inspeção terem os mecanismos necessários para poderem perceber quais são as emissões de cada tubo de escape, estarão ao dispor destes centros de inspeção e da sociedade que os vai utilizar", garantiu o ministro que admitiu que o atual quadro de regulamentação tem "20 anos e que as exigências evoluíram".

João Pedro Matos Fernandes adiantou que, no caso das emissões dos gases dos escapes, vai haver "critérios de aprovação mais restritivos" e "um controlo mais rigoroso de mecanismos antipoluição".

A denúncia sobre a retirada dos filtros de partículas dos carros a gasóleo foi feita pela associação ambientalista ZERO e pela Associação Nacional de Centros de Inspeção Automóvel (ANCIA) que adiantou "a regulamentação das inspeções não tem acompanhado quer a evolução do setor quer a crescente modernização dos veículos".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de