Mais de 60% dos trabalhadores nascidos na década de 90 têm contratos a prazo

De acordo com o estudo da Fundação Calouste Gulbenkian não há indicação de que este fenómeno se reduza de forma significativa mesmo quando cada geração envelhece.

A percentagem de contratos a termo nos trabalhadores mais jovens "é muito maior" nas gerações mais recentes face às mais velhas, abrangendo mais de 60% dos nascidos na década de 90, segundo um estudo apresentado pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Esta é uma das principais conclusões do estudo "A equidade intergeracional no trabalho em Portugal" da autoria de Pedro Martins, professor na Nova School of Business and Economics e ex-secretário de Estado do Emprego do Governo então liderado por Pedro Passos Coelho.

Segundo o documento, que analisa as gerações nascidas entre as décadas de 1940 e 1990, com base nos quadros de pessoal da Segurança Social, existe "uma estabilidade pronunciada na utilização alargada dos contratos de trabalho a termo junto dos trabalhadores mais jovens".

"A percentagem destes contratos é muito maior nas gerações mais recentes ao longo das últimas duas décadas - mais de 60% da geração nascida nos anos 90 em oposição a cerca de 40% na geração nascida na década anterior", pode ler-se no estudo.

Além disso, continua o autor, não há indicação de que este fenómeno se reduza de forma significativa mesmo quando cada geração envelhece.

Por sua vez, o aumento salarial relacionado com a escolaridade "tem vindo a descer significativamente para as gerações mais jovens".

"A educação continua a contribuir para remunerações mais elevadas e para menores probabilidades de desemprego, mas esse contributo é menor para as gerações mais jovens", realça o investigador.

O aumento salarial médio por ano adicional de escolaridade desceu de quase 10% na geração da década de 40 para cerca de 5% para os nascidos nos anos 90.

O estudo conclui ainda que as gerações que entram no mercado de trabalho durante uma crise económica veem a sua evolução profissional prejudicada, registando salários 5% mais baixos ao longo da sua carreira, face às outras gerações.

Quanto às remunerações, as comparações entre as várias gerações "apontam para uma forte convergência dos salários médios" nos últimos anos, "o que poderá ser consistente com a equidade intergeracional", pode ler-se no estudo.

Este equilíbrio salarial entre as várias gerações trata-se, porém, de "um nivelamento por baixo", uma vez que a média de salários situa-se "entre os 600 e os 650 euros", explicou o coordenador da área intergeracional, Luís Lobo Xavier, durante a apresentação do documento.

Já ao nível das prestações sociais, verificam-se diferenças significativas entre as várias gerações, com algumas prestações, como o subsídio de desemprego, a serem utilizadas "em grande medida por trabalhadores mais velhos, o que poderá afetar negativamente a equidade intergeracional", indica o estudo.

"Ao longo da década de 2000, os subsídios da segurança social (desemprego, doença, 'lay-off' e parentalidade) recebidos pelos trabalhadores da geração de 1940 corresponderam a 69% das suas contribuições (55 pontos percentuais dos quais derivados do subsídio de desemprego)", refere o investigador.

Em contraste, acrescenta o autor, "a relação entre subsídios recebidos e contribuições pagas no mesmo período, mas para as gerações nascidas nos anos 60 e seguintes foi de apenas 22%".

"Apesar de Portugal ter uma taxa de desemprego jovem muito elevada, é sobretudo a partir dos 50 anos que o subsídio de desemprego tem um peso assinalável", apontou Lobo Xavier.

Esta situação poderá ser explicada com o facto de o subsídio de desemprego estar a ser utilizado como "uma ponte" para a reforma, antecipada ou não, admitiu por seu lado Pedro Martins.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de