Olivença quer classificar português como Bem de Interesse Cultural

Olivença celebrou o Dia de Portugal assumindo a importância de preservar a língua portuguesa. A autarquia lidera uma campanha promocional com o objetivo de levar a Junta da Extremadura a reconhecer o nosso idioma como Bem de Interesse Cultural. Manuel Alegre também se junta à causa, tendo marcado presença nas celebrações organizadas pela Universidade Popular de Olivença, com o apoio do município

Eduardo Machado, professor de Português em Olivença, assume que o município recusa virar costas aos cinco séculos de história como cidade portuguesa, admitindo que a língua é o aspeto mais imaterial do cruzamento de culturas. Isto apesar da perda de influência ao longo das últimas décadas.

Explica a tendência com o facto de o português ser, efetivamente, a língua materna dos mais velhos em Olivença, mas entre as décadas de 50 e 60 do século passado o mundo rural começou a falar castelhano com os filhos que viriam a perder o contacto com o Português.

"A elite mais poderosa da sociedade, constituída pela administração, Igreja e escola, falava o espanhol e o mundo rural percebeu que o Português não era uma língua de futuro e que a língua 'rica' era o espanhol", sublinha o professor que mais tem impulsionado o ensino da língua de Camões nos últimos anos em Olivença.

Eduardo Machado assume que ter deixado de falar português com os filhos "foi o maior erro" cometido pelos oliventinos, admitindo ter sido o passo que levou os jovens a perderem o interesse pelo "Português Oliventino", tal como o docente o designa.

O tema esteve em foco nas celebrações do Dia de Portugal que hoje tiveram lugar em Olivença, numa altura em que se tenta inverter a tendência e o contacto com o Português já começa nos primeiros anos de vida das crianças.

"Já temos aulas de Português para crianças logo a partir dos dois anos e estamos com um projeto de recuperação com os próprios lares de idosos, onde se pretende trabalhar os aspetos cognitivos das pessoas, mas, através das memórias, estamos a fazer uma recolha de dados para os podermos trabalhar", revela, reportando-se a detalhes culturais relacionados com a língua portuguesa.

A autarquia juntou-se, entretanto, à causa, assumindo a apresentação de um projeto ao governo regional da Extremadura, que ambiciona classificar o Português como Bem de Interesse Cultural.

"A diferença entre o português de Olivença e o português em Olivença deve ficar bem explícita", ressalva, alegando que é o português de Olivença que deve ser reconhecido pela Junta da Extremadura.

"A classificação é muito importante, não como um fim, mas como um meio. Sabemos que é um português que está em declínio, mas que pode ter influência no desenvolvimento de Olivença, como um valor turístico e económico", resume.

Entretanto, neste momento cerca de 1300 oliventinos já optaram pela dupla nacionalidade, tratando-se do único concelho espanhol onde para também se ser português basta ter nascido por aqui, ser descendente ou casado com um natural da terra.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de