Pais de crianças com doenças crónicas temem regresso presencial às aulas e pressionam médicos

Jorge Amil Dias pede que as autoridades de saúde intervenham, publicando uma orientação clara para estes casos.

O presidente do Colégio de Pediatria da Ordem dos Médicos revela que os médicos estão a ser pressionados pelos pais das crianças com doenças crónicas para passarem declarações a atestar que as crianças têm de ter ensino à distância.

"Os médicos têm sido solicitados a emitir declarações a dizer que as crianças que têm doença crónica e, como tal, não podem frequentar o ambiente escolar, que têm um risco enorme e que exigem que sejam as autoridades a fornecer os meios técnicos para seguir as aulas em casa", adianta Jorge Amil Dias, em entrevista à TSF.

Jorge Amil Dias pede que as autoridades de saúde intervenham, publicando uma orientação clara para estes casos: "Precisamos que o Ministério da Saúde, a Direção-Geral da Saúde, em colaboração com a Ordem dos Médicos, emita alguma recomendação ou alguma lista das situações que tipicamente configuram um risco especial e que nos ajudem a tranquilizar os pais em relação a isso."

Caso contrário, argumenta, "vamos da parte dos pais deixar alimentar um pânico tremendo e da parte dos médicos colocá-los numa situação insustentável de exporem o menino que, por um azar da vida, possa vir a ser contagiado e a culpa foi do médico que se recusou a emitir a declaração".

Amil Dias sublinha que a maioria das doenças crónicas nas crianças não representa um risco acrescido para a Covid-19, mas há casos que podem merecer uma proteção especial, como é o caso das crianças que necessitam de usar uma traqueostomia (orifício artificial criado cirurgicamente), por terem "menos áreas de proteção da mucosa, menos superfícies de resistência".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de